Réveillon: Vigilância Sanitária realiza inspeções prévias em pontos do maior evento do planeta

Publicado em 26/12/2019 - 15:41 | Atualizado
Operação Verão da Vigilância Sanitária

Vistorias no abastecimento de água, no catering artístico e na estrutura de atendimento médico estão entre as ações especiais que a Subsecretaria de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses da Prefeitura do Rio realiza em Copacabana para o réveillon. Até lá, três prévias acontecem especificamente em pontos da festa da virada: uma nesta quinta-feira, dia 26, outra na sexta, 27, e a última na próxima segunda, 30. Desde 9 de novembro, quando a Vigilância iniciou o roteiro de fiscalizações especiais na orla, foram 789 inspeções que resultaram em 313 termos de intimação com adequações de espaços e serviços a serem cumpridos. Foram aplicadas 317 infrações por irregularidades diversas, como a falta de higiene e o armazenamento inadequado de produtos, com 24 estabelecimentos interditados. Todos eles providenciaram as exigências e voltaram a funcionar.

 

– Nosso objetivo maior é a conscientização sobre os cuidados de higiene e outros protocolos essenciais para a prevenção de riscos. E conferimos tudo, como o uso correto de uniformes, a existência da licença sanitária e até o comprovante da capacitação em cursos que oferecemos, como o de manipulador de alimentos. Estamos desde novembro de sexta à segunda-feira na Operação Verão coordenada pela Seop (Secretaria Municipal de Ordem Pública), e começamos no último dia 10 a nossa operação Vigilância no Verão, com 30 técnicos atuando exclusivamente na orla de terça à quinta-feira. São ações de segurança para o dia a dia do verão carioca e para um réveillon com menos riscos – explica o médico-veterinário Pedro Paulo Ferraz, coordenador de Fiscalização Sanitária da Vigilância.

 

Os técnicos inspecionam hotéis, restaurantes, quiosques e demais estabelecimentos do setor regulado pela Vigilância Sanitária, conferindo a qualidade dos produtos e os serviços oferecidos tanto para cariocas quanto para os milhares de turistas que neste período visitam a cidade, assim como a existência da licença sanitária que deve estar visível ao público. E este ano, com a implantação do primeiro Código Sanitário do Município, as equipes passaram a vistoriar também farmácias, salões de beleza e estúdios de piercing, entre outros pontos comerciais das chamadas atividades relacionadas à saúde, incluídas no roteiro da Vigilância.

 

– Muita gente pensa que nosso trabalho tem foco nos alimentos, mas atuamos em praticamente todos os segmentos. Tanto que ampliamos a oferta de cursos dos oito em 2017 para 36 em 2019, com prioridade para a capacitação em boas práticas de higiene em geral, essenciais para minimizarmos o número de doenças. Mas o nosso maior desafio ainda é a área de alimentos. A falta de higiene na cadeia alimentar, o armazenamento inadequado de alimentos e o uso inapropriado de produtos químicos estão entre as principais causas de riscos à saúde do consumidor. Para se ter uma ideia, dados da ONU estimam que 600 milhões de pessoas adoecem por ano no mundo por consumo de alimentos contaminados, e 420 mil delas chegam a óbito – destaca Marissol Figueiredo, coordenadora de Eventos da Superintendência de Educação da Vigilância.

 

Licenciamento sanitário – Além de inspeções, capacitações e orientações em geral, a Vigilância é responsável pela emissão da Licença Sanitária para Atividades Transitórias (LSAT). O documento é obrigatório para organizadores de eventos, empresas de catering e responsáveis pelos serviços de remoção de pacientes (ambulâncias). A solicitação é online, pelo portal Carioca Digital.