Fiscalização que não para: Vigilância Sanitária descarta 186 quilos de carne comercializado inadequadamente

Publicado em 22/02/2020 - 17:38 | Atualizado

Além das equipes destacadas para a atuação na área do Sambódromo, blocos e outros pontos oficiais de folia, a Subsecretaria de Vigilância Sanitária do Rio mantém durante todo o carnaval um plantão 24 horas para reclamações e outras solicitações registradas por meio do 1746 da Central de Atendimento da Prefeitura do Rio. Em uma das inspeções realizadas neste sábado, 22, no supermercado da Estrada do Rio do A, 1.415, em Campo Grande, para conferir denúncia da venda inadequada de alimentos, fiscais encontraram 186 quilos de produto de origem animal comercializados indevidamente em temperatura ambiente, sobre caixas de papelão ao chão para chamar atenção de clientes.

 

Inspeção da Vigilância em supermercado de Campo Grande. Foto: Divulgação

A ação resultou em duas infrações (falta de higiene e conservação de produto em temperatura inadequada), uma intimação com exigências de adequações estruturais a serem providenciadas em até 30 dias na câmara frigorífica e no depósito e ainda no descarte de 120 quilos de alcatra, 58 de linguiça suína, cinco de coxinha da asa e três de merluza.

 

A médica-veterinária Aline Borges, coordenadora de Alimentos da Vigilância Sanitária, lembra a importância do consumidor estar sempre atento às condições de higiene dos estabelecimentos, às instruções contidas no rótulo e até a forma como é feita a comercialização.

 

– Para evitar riscos, o consumidor deve estar atento ao que vai comprar. O acúmulo de líquido na embalagem e a presença de gelo fora do produto caracterizam que o produto foi descongelado e recongelado, comprometendo o alimento. Uma das dicas é conferir a procedência, a validade e a temperatura de conservação, informações contidas no rótulo. A carne resfriada, por exemplo, deve ser mantida em um ambiente de, no máximo, 7 graus ou de acordo com o descrito nas embalagens, e os congelados a 18 graus negativos. Por isso a importância de sempre conferir o rótulo, e se suspeitar de alguma irregularidade, fazer o registro na Central 1746, que imediatamente irá nos acionar – orienta Aline Borges.