Vacinação contra a gripe bate recorde de cobertura nos últimos cinco anos

Publicado em 15/06/2019 - 19:45 | Atualizado em 15/06/2019 - 21:11
Vacinação contra a gripe bate recorde de cobertura nos últimos cinco anosVacinação contra a gripe bate recorde de cobertura nos últimos cinco anos Foto: Mariana Ramos/Prefeitura do Rio

A campanha de vacinação contra a Influenza atingiu a meta de alcançar 90% da população alvo neste sábado, com recorde de cobertura quando comparados os dados desde 2015. A partir de segunda-feira (17), as doses restantes em estoque nas 232 unidades da rede de Atenção Primária da cidade poderão ser aplicadas em todas as pessoas que buscarem a vacina, independente dos grupos prioritários.

De acordo com o último balanço deste sábado, 90,9% da população alvo (idosos, crianças de seis meses a 6 anos incompletos, gestantes, mulheres até 45 após o parto, trabalhadores de saúde, portadores de doenças crônicas, professores da rede regular de ensino, profissionais de segurança) foram vacinadas, o que corresponde a cerca de 2 milhões de pessoas. Entre os grupos prioritários, no entanto, três segmentos não tiveram desempenho tão satisfatório, os de crianças, idosos e gestantes, que ainda podem procurar unidades de saúde para serem vacinados.

A vacina continua disponível enquanto durarem os estoques das unidades de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas. Seguindo a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), para a temporada 2019 a vacina influenza trivalente é composta por cepas dos três tipos de vírus da gripe mais circulantes no Hemisfério Sul e com mais possibilidades de causar quadros graves da doença. A síndrome respiratória aguda grave (SRAG), que pode ou não ser causada por influenza, é de notificação compulsória e, este ano, já foram registrados 55 casos de pacientes com SRAG por Influenza. Destes 13 casos de SRAG por influenza H1N1, com a confirmação de 4 óbitos.

Para pessoas que tenham apresentado febre recente, recomenda-se adiar a vacinação até que o estado de saúde melhore. Portadores de doenças neurológicas e síndrome Guillain-Barré devem consultar um médico antes de tomar a vacina e seguir suas orientações. Já pessoas com história de alergia grave e prévia a ovo ou a algum outro componente da vacina não devem se vacinar.

  • 15 de junho de 2019