Mulheres Inspiradoras: cirurgiã plástica do Souza Aguiar colocou o Rio na vanguarda do tratamento de queimados

Publicado em 04/03/2020 - 18:34 | Atualizado em 08/03/2020 - 10:51
Dra. Irene Daher levou para a unidade uma técnica simples, barata e menos dolorosa para tratamento de pessoas queimadas - Foto: Mariana Ramos/Prefeitura do Rio

Ela colocou o Município do Rio de Janeiro em destaque na área de saúde, desenvolvendo um tratamento inovador para vítimas de queimaduras. Chefe do Serviço de Cirurgia Plástica e do Centro Municipal de Tratamento de Queimados (CTQ) do Hospital Municipal Souza Aguiar, a Dra. Irene Daher, 55 anos, levou para a unidade uma técnica simples, barata e menos dolorosa para tratamento de pessoas queimadas, com o uso de pele de tilápia. A médica é a primeira de uma série de cinco servidoras que serão homenageadas em reportagens publicadas até domingo (08/03), Dia Internacional da Mulher.

A satisfação com os resultados faz Irene relembrar sua história na Medicina e na rede pública. Formada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), ingressou nos quadros da Secretaria Municipal de Saúde em 1994. Três anos mais tarde, já era a chefe do setor de cirurgia plástica do Souza Aguiar. Determinada, acredita que tudo que conseguiu foi por meio de muita luta e confiança.

– A gente tem que confiar na gente, ter convicção e querer muito chegar a algum lugar. Se for o seu desejo, se é o que você quer, você consegue chegar lá – ensina a quem integra suas equipes.

A vontade de se especializar no tratamento de queimados surgiu quando fez estágio no Hospital Federal do Andaraí, ainda na década de 1980. Afirma ser uma honra conseguir utilizar o tratamento no hospital e explica que a iniciativa faz parte de um estudo liderado pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Ela se orgulha de trabalhar em uma unidade com diferenciais importantes:

– Cirurgiões plásticos integram as equipes de emergência do hospital. Isso é maravilhoso.

Apesar da rotina intensa, a chefe do CTQ se derrete quando fala das demonstrações de carinho das pessoas. Segundo ela, o reconhecimento é o melhor de tudo. Acompanhando tantas pessoas, muitas vezes se reencontra com antigos pacientes nos corredores do hospital. Muitos atendidos quando eram ainda crianças. Outros a procuram em datas especiais, como em seu aniversário. A médica também se sente realizada quando outros profissionais a citam como inspiração.

Por trás de sua escolha por Medicina, houve uma personagem importante que a influenciou: a avó, que era enfermeira e conversava muito sobre sua experiência:
– Mesmo depois que ela deixou de exercer a profissão, não parava de contar casos de pacientes que atendeu. Ficou muito orgulhosa ao ver eu me formar e trabalhar como médica para ela.

 

A médica ela lidera cerca de 20 profissionais – Foto: Mariana Ramos / Prefeitura do Rio

Investimento na carreira

Para melhorar sua formação, Irene não dispensa cursos. Em 2017, pela Prefeitura, fez Especialização em Preceptoria para o SUS (Serviço Único de Saúde), promovido pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês (IEP/ HSL).

– Melhorou a forma de transmitir minha experiência para os residentes que recebo, melhora o aprendizado deles.

Ela explica também que o hospital é fundamental na formação dos médicos da rede pública, pois recebe residentes de cirurgia plástica das redes federal e estadual, além de profissionais do município, por causa do centro de queimados. Adora ver o que ensina nos trabalhos científicos apresentados em congressos, inclusive internacionais. Atualmente, nas duas equipes, ela lidera cerca de 20 profissionais.

* Mulheres Inspiradoras é uma série de cinco reportagens com servidoras da Prefeitura e será publicada até domingo (08/03), Dia Internacional da Mulher 

 

Mulheres Inspiradoras: Para servidora, quem oferece ajuda voluntária é o maior beneficiado

Mulheres Inspiradoras: Gerente da Rio-Águas conta como é comandar grandes obras na cidade

Mulheres Inspiradoras: Professora traz mais afeto para alunos com atividades de acolhimento

Mulheres Inspiradoras: Comandante à frente de uma tropa com mais de 7.500 guardas municipais