Interventor do BRT reage a ameaça de donos de ônibus e diz que pode ocupar garagens

Publicado em 15/03/2019 - 18:32 | Atualizado em 18/03/2019 - 12:10
Veículo BRTFoto: Divulgação/BRT Rio

 Nota divulgada nesta sexta-feira pelo Interventor no BRT Rio, Luiz Alfredo Salomão:

“O BRT Rio transporta meio milhão de cariocas por dia. É inadmissível que tanta gente seja tratada com desrespeito pelos operadores do sistema. Falta de ar condicionado, superlotação, vandalismo e calotes atormentam os usuários há sete anos, desde a inauguração de um projeto cheio de erros absurdos. A prefeitura decretou intervenção no dia 29 de janeiro exatamente porque o sistema está funcionando muito mal.

Os operadores que levaram o BRT a esta situação têm feito de tudo para impedir que a Intervenção trabalhe para corrigir o sistema. Este grupo não aceita a decisão da Justiça, que reconheceu o afastamento do antigo presidente. Eles se recusam a substituí-lo por outro representante para assinar o repasse da receita aos operadores e pagar fornecedores. Ora, se o ex-presidente está afastado, com chancela da Justiça, como pode continuar à frente das finanças do sistema?

A última iniciativa deste grupo foi divulgar inverdades para chantagear o Poder Concedente, o que é inadmissível. Preparam um locaute, sob o argumento de que não têm recursos para o combustível. O dinheiro está parado no BRT, aguardando que o Banco Itaú aceite a designação dos novos representantes autorizados a movimentar a conta.

Locaute é uma espécie de greve de empresários, quando eles tiram os meios para os trabalhadores realizarem suas atividades. É  uma prática ilegal e pode ter consequências penais para os responsáveis. O transporte público é uma atividade essencial para o funcionamento de hospitais, escolas e muitos outros serviços públicos. Se houver locaute, a Intervenção no BRT assumirá as garagens dos ônibus, conforme está previsto no decreto de Intervenção de 29 de janeiro.

Nós vamos seguir firmes nas ações que já iniciamos para melhorar o sistema, como os consertos da pista da Transoeste e o combate aos caloteiros e ao comércio ilegal. Em respeito à população, não vamos ceder a chantagens.

Luiz Alfredo Salomão, interventor no BRT.”