Vigilância Sanitária acolhe filhote de égua resgatada pela PM em terreno baldio de Inhoaíba

Publicado em 24/07/2020 - 09:49 | Atualizado
Com risco de morte, potrinha abandonada está sob cuidados de técnicos do Centro de Controle de Zoonoses, em Santa Cruz

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Subsecretaria de Vigilância Sanitária da Prefeitura do Rio recebeu uma potra recém-nascida em estado grave. Abandonada em um terreno baldio do loteamento Ana Gonzaga, em Inhoaíba, Zona Oeste da cidade, a eguinha foi recolhida nesta quinta-feira, 23/07, por uma equipe do Regimento de Polícia Montada do Estado do Rio de Janeiro, atendendo a denúncia de um popular que viu o animal deitado no mato.

Muito fraca, febril  e correndo risco de morte, a potrinha está sob os cuidados da equipe do CCZ, que fica em Santa Cruz e é uma das unidades de zoonoses da Vigilância Sanitária, pasta vinculada à Secretaria Municipal de Saúde. O médico-veterinário Antônio Cláudio Machado, que acolheu o filhote na unidade, explica que, entre as medicações, o animal recebe glicose como forma de compensar parte das vitaminas essenciais existentes no colostro (leite materno).

– Pelo aspecto geral, a potrinha chegou aqui com 24 horas de vida. Sua saúde está muito debilitada, o que indica que não chegou a ingerir o colostro, fundamental nas primeiras horas de vida. Ela deve ter sido abandonada pela mãe, provavelmente não controlada pelo dono. Muito triste vermos um animal nessa situação – diz o veterinário Antônio Cláudio.

A Subsecretaria de Vigilância Sanitária adverte que o abandono de animais é crime, como previsto no Código de Direito e Bem Estar Animal do Município do Rio de Janeiro, uma das conquistas trazidas pelo primeiro Código Sanitário do Município, aprovado por unanimidade pela Câmara dos Vereadores em dezembro de 2018.

– Nunca vi uma situação dessas. O Código de Animais prevê multas e até prisão para quem abandona animais, pois abandono é crime – ressalta a médica-veterinária Eliane Lobato, diretora do CCZ, onde trabalha desde a criação da unidade, em 1986.