Operação Carnaval da Vigilância Sanitária contabiliza mais de mil inspeções realizadas

Publicado em 12/02/2020 - 18:56 | Atualizado em 12/02/2020 - 18:57
Inspeção prévia da Vigilância Sanitária em loja de material de construção. Foto: Divulgação

Pelo terceiro dia consecutivo, técnicos da Subsecretaria de Vigilância Sanitária do Rio atuaram em estabelecimentos da Zona Sul. Com fiscalização e muita orientação, a ação faz parte das prévias da Operação Carnaval do órgão iniciada em 8 de janeiro e que ultrapassou a marca de mil inspeções focadas na prevenção de riscos à saúde da população. Com as 98 vistorias realizadas nesta quarta-feira, 12, em Botafogo, as equipes da Vigilância já passaram por 1.034 comércios em pontos oficiais de folia do Centro, Lapa, Santa Teresa, Madureira e Humaitá. Também nesta quarta, mais de 50 expositores que vão atuar no Terreirão do Samba na maior festa do planeta foram capacitados em higiene na manipulação de alimentos, recebendo conhecimentos que vão da procedência à comercialização de churrasquinho, salgados, caipirinhas e outros produtos.

 

Na prévia realizada em Botafogo, os técnicos fiscalizaram as condições higiênico-sanitárias de estabelecimentos do chamado setor relacionado que desde 2019, com a implantação do Código Sanitário Municipal, passaram também a ser inspecionados pela Vigilância. São agências bancárias, livrarias, lavanderias, lojas de material de construção e de departamentos, entre outras atividades. As 98 inspeções feitas nesta quarta resultaram em duas interdições parciais, em 32 termos de intimações com adequações a serem providenciadas e em 27 infrações, incluindo a falta de licenciamento sanitário. Somando os números, a Operação Carnaval contabiliza ao todo 298 termos de intimação, 376 infrações, 20 interdições (quatro delas totais) e 108 coletas de amostras de alimentos, com o descarte de 98 quilos de produtos impróprios ao consumo. Nas interações educativas, técnicos da Superintendência de Educação da Vigilância distribuíram mais de 2 mil folhetos com orientações como os cuidados na limpeza de reservatórios de água.

 

– Incluindo as atividades relacionadas nas nossas inspeções estamos ampliando a nossa atuação para a prevenção e a segurança da saúde de todos. É muito importante termos o controle dos ambientes internos para uso comum, que devem sempre estar de acordo com os protocolos das condições higiênico-sanitárias. É a Vigilância Sanitária cuidando dos bastidores que ninguém observa – destacou Mônica Valim, coordenadora do Núcleo de Inspeção e Fiscalização dos Ambientes de Trabalho (Nifat), da Vigilância Sanitária.

 

Florindo Carnevale, um dos comerciantes que teve a loja fiscalizada, elogiou a ação da Vigilância Sanitária.

 

– Esse trabalho é necessário porque as regras mudam e temos que consertar os problemas, antes que eles apareçam. O comerciante não pode se abster da fiscalização, porque ele precisa saber e se adequar às normas – disse ele.

 

Organizado pela Coordenação de Fiscalização Sanitária, o planejamento operacional reúne técnicos das coordenações de Alimentos, de Saúde e de Engenharia; do Laboratório Municipal de Saúde Pública (Lasp); do Núcleo de Inspeção e Fiscalização dos Ambientes de Trabalho (Nifat); e da Superintendência de Educação da Vigilância. Na Zona Sul, a operação é realizada por 30 fiscais que diariamente se concentram na tenda montada em um ponto estratégico do bairro a ser fiscalizado e que também receberá as ações educativas, como a distribuição de panfletos e as orientações levadas à população e a donos e funcionários dos comércios que precisam passar pela capacitação em boas práticas de higiene.

 

Inspeção prévia da Vigilância Sanitária em loja de material de construção. Foto: Divulgação
  • 12 de fevereiro de 2020