‘Servidor Sangue Bom’: Médica do município abre mão de folga e improvisa clínica na Muzema para atendimento a vítimas

Publicado em 29/04/2019 - 08:04 | Atualizado em 21/11/2019 - 11:38
Priscila Mafra, médica da família, é exemplo de Servidor Sangue Bom: ela abriu mão da folga para atender vítimas do desabamento na MuzemaPriscila Mafra, médica da família, é exemplo de Servidor Sangue Bom: ela abriu mão da folga para atender vítimas do desabamento na Muzema. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio

A mineira Priscila Mafra, de 36 anos, estava de folga no último dia 12 de abril, quando os dois prédios da Muzema desabaram. Médica da Clínica da Família Bárbara Mosley de Souza, na Gardênia Azul, a servidora municipal não pensou duas vezes: vestiu seu jaleco branco e foi uma das primeiras a chegar ao local da tragédia.

Priscila improvisou uma clínica na garagem de uma casa a poucos metros dos escombros e bateu ponto no local por quatro dias.

– Fiz uns 150 atendimentos. Foram casos de pressão alta, picos de ansiedade, desmaios, sutura em um bombeiro ferido… – diz ela, médica da família no município há quatro anos.

Priscila Mafra é um dos bons exemplos de funcionários públicos que a Prefeitura do Rio homenageia na semana do trabalhador, com a série Servidor Sangue Bom.

Outras reportagens da série:

Gari faz parto no Morro da Providência e quer estudar medicina

Guarda municipal resgata cão vendido em rua de Copacabana

Professor cultiva horta com alunos e garante salada da merenda escolar

Veja vídeo com relato de Priscila Mafra: