Prefeitura do Rio e Academia Brasileira de Letras lançam Circuito da Literatura

Publicado em 01/12/2021 - 16:33 | Atualizado
Familiares de Rodrigo Octavio Filho receberam a placa da ABL e da Prefeitura - Beth Santos/Prefeitura do Rio

A Academia Brasileira de Letras (ABL) e a Prefeitura do Rio lançaram, nesta quarta-feira (1º/12), o Circuito da Literatura, projeto que irá identificar com placas do Patrimônio Cultural as casas onde viveram acadêmicos. Fruto de uma parceria da ABL com o Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), órgão vinculado à Secretaria Municipal de Planejamento Urbano, o circuito teve a primeira placa de patrimônio entregue pelo prefeito Eduardo Paes e pelo secretário-geral da ABL, Merval Pereira, à família do crítico literário, poeta, orador e advogado Rodrigo Octavio Filho, ocupante da cadeira 35.

 

– Nada mais justo do que a gente homenagear essas pessoas e, principalmente, mostrar para a cidade a história, onde viveram os acadêmicos. Não é só uma homenagem, como também um registro histórico que pode inspirar os nossos jovens a seguirem esse caminho da intelectualidade – disse o prefeito durante cerimônia realizada na casa onde o homenageado viveu, na Rua São Clemente 421, em Botafogo.

 

Presente no evento, a neta do acadêmico, Irene Moutinho, agradeceu a homenagem da ABL e da Prefeitura do Rio.

 

– É com imensa alegria e muita emoção que recebemos essa placa alusiva àquele que, ao lado de sua esposa Laura, concebeu e promoveu a edificação dessa residência quase centenária. Obrigado por tão comovente homenagem – declarou Irene.

Irene Moutinho, neta de Rodrigo Octavio Filho, posa com a placa em homenagem ao acadêmico – Beth Santos/Prefeitura do Rio

 

Antes denominado “Onde moravam os Acadêmicos”, o projeto passou a ser intitulado como “Circuito da Literatura” ao integrar os Circuitos do Patrimônio Cultural Carioca. A segunda placa do Circuito Literário será afixada na casa do professor e historiador Américo Jacobina Lacombe, ocupante da cadeira 19, na Rua Dezenove de Fevereiro, 105, em Botafogo. O Circuito da Literatura terá aproximadamente 100 placas, que serão instaladas ao longo do próximo ano.

 

– Essa residência é referência de uma memória coletiva que ajuda a preservar o conhecimento do passado, fortalecendo a ideia de pertencimento. Essa ideia de pertencimento está registrada na escolha da casa de Rodrigo Octavio Filho para inaugurar o circuito literário, pois ele tem a linha direta com a fundação da ABL. Seu pai, Rodrigo Octavio, foi um dos intelectuais que participaram da criação da ABL – disse Merval Pereira, que representou o presidente da ABL, Marco Lucchesi, na cerimônia.

 

As placas de identificação de bens e locais de relevância começaram a ser instaladas pela Prefeitura do Rio em 1992, mas desde 2010, os Circuitos do Patrimônio Cultural Carioca deixaram de ser focados em arquitetura e passaram a abranger temas livres, ligados à cultura e à identidade carioca. Por meio da fixação de uma placa informativa, a Prefeitura do Rio seleciona locais de destaque para cada tema. Em cada placa, os visitantes podem saber um pouco mais sobre o local e sua importância para a história da cidade e para o tema em questão.

 

– As cidades são feitas de muitas camadas. Os edifícios, as ruas, os lugares, contém histórias reais de pessoas reais, mas também são suporte para contos, ficções, romances, estória. A cidade é também um lugar fabuloso, de imaginações, portanto importante para exercermos plenamente nossa humanidade. Sinalizar os lugares dos escritores, dos imortais da ABL ajuda o Rio a se observar mais e a sonhar mais – destacou Washington Fajardo, secretário municipal de Planejamento Urbano.

 

Com o novo Circuito da Literatura, agora são 22 circuitos com bens culturais espalhados por toda a cidade. Entre os circuitos, temos: Liberdade, Art-Déco, Cinemas, Trem, Botequins, Águas, Samba, Bossa Nova, Praça Tiradentes, Herança Africana, Choro, Negócios Tradicionais e outros.

 

– Instalar as nossas famosas plaquinhas azuis nos locais de moradia dos acadêmicos da ABL significa, não apenas identificar, mas reafirmar o papel destas personalidades para a cultura da cidade. Estaremos, durante o ano de 2022, colocando as placas do Circuito da Literatura, como uma homenagem ao legado dos imortais que viveram no Rio – afirmou Laura Di Blasi, presidente do IRPH.

 

  • 1 de dezembro de 2021