Santa Cruz e Taquara têm fiscalização do comércio em reforço aos bloqueios parciais, nesta quarta

Publicado em 13/05/2020 - 18:49 | Atualizado em 13/05/2020 - 19:19
Seop , em parceria com a Guarda Municipal, fechou 11 centros comerciais. Foto: Divulgação

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), fiscalizou nesta quarta-feira, 13/05, o comércio de Santa Cruz e Taquara, na Zona Oeste. A ação é em apoio aos bloqueios pontuais de vias nestes bairros, que figuram entre os dez mais atendidos pelo Disk Aglomeração.

A operação começou pela manhã em Santa Cruz e contemplou o centro comercial da região, incluindo as ruas Senador Camará, Felipe Cardoso e Dom Pedro I. No bairro, os agentes encontraram a maioria das lojas fechadas (85) e contabilizaram 17 estabelecimentos essenciais (com funcionamento previsto em decreto) abertos. Um estabelecimento que vendia produtos não essenciais foi autuado e interditado por fiscais da Coordenadoria de Licenciamento e Fiscalização, da secretaria de Fazenda; e outros três foram autuados por exposição de mercadorias na calçada.

Na Rua Dom Pedro I, oito barracas deixadas em via pública foram desmontadas e recolhidas pela Comlurb, que removeu, ao todo, 700 kg de resíduos sólidos das ruas. Ainda como resultado da ação, foram apreendidos 950 quilos de frutas e legumes, e 140 acessórios de celular com ambulantes irregulares. O alimento perecível foi doado, conforme prevê a legislação. A instituição beneficiada foi a “A Minha Casa – Associação Civil de Amparo ao Menor”, em Campo Grande.

Sobre os bloqueios – De acordo com o Decreto 47.424, publicado na segunda-feira (11/05), 11 áreas com altos índices de aglomeração terão bloqueios parciais: Santa Cruz, Madureira, Freguesia, Taquara, Tijuca, Grajaú, Pavuna, Cascadura, Realengo, Guaratiba e Méier. Os bloqueios começaram nesta terça-feira (12/05) e foram concluídos, gradativamente, ao longo desta quarta-feira (13/05). As regiões ficarão isoladas por grades até a próxima segunda-feira (18/05), com o acesso da população restrito moradores, e funcionários e clientes de mercados, farmácias e agências bancárias. Ao todo, cerca de 250 guardas municipais, além da Polícia Militar, cuidarão 24 horas por dia das barreiras.

Balanços totais – Desde 18 de março, as ações diárias integradas pela Seop com foco no comércio resultaram no fechamento de 10.104 estabelecimentos dos 14.031 visitados em toda a cidade. Já o Disk Aglomeração atendeu 5.866 ocorrências, de 31 de março a 12 de maio. Os dez bairros mais demandados, até ontem, foram: Campo Grande, Realengo, Bangu, Santa Cruz, Taquara, Barra da Tijuca, Centro, Tijuca, Copacabana e Recreio dos Bandeirantes.

O serviço de dispersão de pessoas é baseado, principalmente, nos chamados feitos à Central 1746. No planejamento operacional, a prioridade é para demandas como aglomerações em estabelecimentos comerciais essenciais e em áreas públicas de lazer.

Órgãos – Coordenada pela Seop, a força-tarefa de fiscalização do comércio conta com efetivos da Subsecretaria de Operações (Subop) da pasta; Guarda Municipal; Subsecretaria de Licenciamento, Fiscalização e Controle Urbano, vinculada à Secretaria Municipal de Fazenda; Subsecretaria de Vigilância Sanitária, que integra a Secretaria Municipal de Saúde; e Comlurb, além da Polícia Militar, quando necessário.