Secretaria de Trabalho e Renda recadastra produtores que integram o Circuito Carioca de Economia Solidária

Publicado em 27/09/2021 - 20:54 | Atualizado
Encontro sobre economia solidária na Zona Oeste - Divulgação

Artesãos que integram as quatro redes da Economia Solidária na Zona Oeste foram os primeiros a receber as permissões atualizadas para participação nas atividades em espaços públicos da região. A cerimônia para a entrega das credenciais aconteceu nesta segunda-feira (27/09) na Lona Cultural Elza Osborne, em Campo Grande.

A Economia Solidária é uma política pública instituída pela Lei Nº 5435/2012, na primeira gestão do prefeito Eduardo Paes. Esse é um segmento produtivo que surge como alternativa econômica para a redução do desemprego e para a geração de renda neste período de pandemia.

Participaram do evento o secretário de Trabalho e Renda, Sérgio Felippe, o subsecretário da pasta, Estevão Bottas, o deputado estadual, Jorge Felippe Neto, e, representando a subprefeitura da Zona Oeste, Edinelson Lima.

No evento, Sérgio Felippe anunciou que as atividades coletivas para comercialização de produtos do segmento de Economia Solidária, que ocorrem quinzenalmente, passarão a ser realizadas semanalmente:

 

– Precisamos apoiar aqueles que já realizam o comércio artesanal de produtos. Muitas famílias tiram sua subsistência dessa atividade econômica, que tem muito a contribuir para a retomada econômica do município.

 

O deputado estadual Jorge Felippe Neto, que integra a Frente Parlamentar em prol do Desenvolvimento Econômico do Estado do Rio pós-pandemia, na Alerj, lembrou que a atividade é um modelo econômico justo e democrático, e deve ser estimulada em regiões mais carentes, como na Zona Oeste.

Os produtores independentes aproveitaram a oportunidade para expor seus produtos. Levaram para a Lona Cultural de Campo Grande peças como bijuterias, roupas, bolsas e objetos de decoração feitos a mão e com material reutilizável. Na cidade do Rio, cerca de 300 artesãos integram as 19 Redes do Circuito de Economia Solidária. Cerca de 90% são mulheres. Todos os produtores passarão pelo recadastramento.

  • 27 de setembro de 2021