Cidades do Rio e de Niterói celebram aliança inédita para combate à emergência climática

Publicado em 20/10/2021 - 15:19 | Atualizado
O prefeito assinou uma parceria com Niterói para ações de combate à emergência climática - Beth Santos/Prefeitura do Rio

Em um movimento inédito, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e de Niterói, Axel Grael, firmaram, nesta quarta-feira (20/10), um acordo de cooperação em prol de uma agenda única de combate à emergência climática, voltada à gestão de recursos hídricos. Com a aliança, as duas cidades formaram oficialmente uma “megacidade” para a representação do setor público na Aliança de Megacidades para a Água e o Clima, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

A parceria Rio-Niterói estará reunida na II Conferência Internacional sobre Água, Megacidades e Mudança Global, entre os dias 11 e 14 de janeiro de 2022, em Paris, na França, seis anos após a primeira edição. Antes, entre 31 de outubro e 12 de novembro deste ano, as duas cidades marcarão presença com uma ação unificada na COP26, conferência climática da Organização das Nações Unidas (ONU), em Glasgow, na Escócia.

 

– Esse é um momento muito especial, de consolidação de uma parceria. São muitos os desafios e esse é um tema importante. Rio e Niterói têm de ter esse protagonismo de trazer o assunto à mesa. A agenda ambiental tem muita relevância e impacto na vida das pessoas – disse o prefeito carioca.

 

Paes e Grael celebraram a parceria no Museu do Amanhã, na Praça Mauá, junto com os secretários municipais de Meio Ambiente do Rio, Eduardo Cavaliere, e do Clima de Niterói, Luciano Paez. Estiveram presentes também na cerimônia a presidente do Comitê de Bacia da Baía de Guanabara, Christianne Bernardo da Silva, e o secretário de Integração Metropolitana, Achilles Barreto. Além das cidades fluminenses, São Paulo é a outra megacidade brasileira.

Responsável por 61% da população da Região Metropolitana do Estado e integrantes da bacia hidrográfica da Baía de Guanabara – com quase 40% da população deste território -, Rio e Niterói estarão juntas em ações e planos relacionados à pesquisa, soluções técnicas, educação ambiental, informação e políticas públicas relacionadas à gestão hídrica e mudanças climáticas.

 

– É fundamental que se tenha essa articulação com cidades que tenham agendas complementares e que já estejam conectadas com essa questão do clima, a mais urgente quando pensamos em sustentabilidade. Rio e Niterói são as sentinelas da Baía de Guanabara, temos muita coisa em comum e precisamos trabalhar juntos nessa agenda – ressaltou Axel Grael.

 

Rio e Niterói: cidades atuantes na defesa do Clima

 

Rio e Niterói têm planos com metas ambiciosas para enfrentamento das mudanças do clima. A capital anunciou, em junho de 2021, seu Plano de Desenvolvimento Sustentável e Ação Climática (PDS), que estabelece metas até 2030 e 2050. No PDS, são 134 metas para ser atingidas até 2030, desdobradas em 978 ações, além das medidas que se espera alcançar até 2050. Um dos objetivos é alcançar, até 2030, a redução de 20% das emissões de gases de efeito estufa em relação às emissões de 2017.

 

– Rio de Janeiro e Niterói chegam juntos à COP26 com uma mensagem de priorização dos investimentos em saneamento de nossas baías, lagos e rios. Hoje é um dia muito simbólico para a Região Metropolitana do Rio no enfrentamento das mudanças climáticas – afirmou o secretário de Meio Ambiente carioca.

 

Já Niterói tem o objetivo de neutralizar as emissões de carbono até 2050. A prefeitura finaliza seu planejamento para apresenta-lo até o fim do ano. A cidade tem a primeira Secretaria dedicada exclusivamente às questões climáticas. A Prefeitura de Niterói  desenvolve projetos voltados para educação ambiental, preservação de parques e florestas, recuperação da Lagoa de Piratininga, iniciativas de reflorestamento, controle da emissão de gases do efeito estufa, saneamento, entre outros.

 

– Começamos a construir uma agenda fundamental nesse cenário de crise que estamos passando frente aos eventos extremos. A Baía de Guanabara, em especial, será nosso palco de atuação, além de todas as bacias de seu entorno. Estamos fazendo um trabalho para que as próximas gerações reconheçam a sensibilidade que as duas cidades, numa gestão integrada, vão desenvolver dentro dessa agenda climática – disse o secretário do Clima de Niterói.

  • 20 de outubro de 2021