Projeto Tô Navegando prepara jovens com Síndrome de Down para a entrada no mercado de trabalho

Publicado em 21/03/2023 - 20:38 | Atualizado
  • Início/
  • /
  • Projeto Tô Navegando prepara jovens com Síndrome de Down para a entrada no mercado de trabalho
Lançamento do projeto Tô Navegando - Laryssa Lomenha / JUVRio

Um curso que prepara jovens com síndrome de Down para a entrada no mercado de trabalho, fazendo com que eles criem autonomia e mostrem o potencial de seu talento. Esse é o objetivo do projeto Tô Navegando, lançado nesta terça-feira (21/03) pela Secretaria Especial da Juventude Carioca (JUVRio), em Madureira.

O projeto é resultado do Pacto Pela Juventude (PPJ), uma parceria da JUVRio com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), que concede bolsas de estudo a jovens de comunidades cariocas para, durante sete meses, pesquisarem e multiplicarem ações de cidadania.

 

– O Pacto Pela Juventude foi criado para formar jovens líderes que possam transformar a realidade da sua região. Estamos quase encerrando o primeiro ciclo e começam a aparecer as primeiras iniciativas. Uma delas é o Tô Navegando, que é fruto de muito trabalho dos jovens do núcleo de Madureira, voltado para outros jovens com Síndrome de Down – afirmou o secretário da Juventude, Salvino Oliveira Barbosa.

 

Salvino destaca a importância e o impacto social que, segundo ele, olha para um público que, historicamente, é muito invisibilizado. O objetivo, afirmou, é que o projeto extrapole os muros do Pacto Pela Juventude para dar vez e voz a jovens de favelas e periferias.

Em Madureira, os bolsistas desenvolveram o Tô Navegando, que passará a funcionar de forma regular no futuro Espaço da Juventude de Madureira, que ainda será inaugurado, um ambiente totalmente tecnológico voltado à capacitação na Indústria 4.0. A JUVRio já mantém unidades do espaço no Estácio, na Cidade de Deus e em Vigário Geral.

Para os jovens estudantes, o Pacto Pela Juventude é uma oportunidade de desenvolver soluções para questões sociais locais a partir de suas vivências. A experiência pessoal de uma das integrantes do PPJ foi fundamental para definir os objetivos do grupo.

 

– Tenho uma irmã com Síndrome de Down e, ano passado, foi o último ano do ensino médio dela. Então surgiu uma preocupação sobre o que ela faria quando acabasse. Na fase de criação de projetos do Pacto Pela Juventude eu dei essa ideia, de fazermos uma capacitação para jovens com Síndrome de Down. Eles inseriram a parte de tecnologia e de capacitação para o mercado de trabalho – explicou Hellen Romualdo, de 18 anos.

De acordo com o Censo IBGE de 2010, mais de 45,6 milhões de brasileiros declaram alguma deficiência, o que representa 23,9% da população. Não há dados específicos sobre Síndrome de Down, mas 2,6 milhões de pessoas possuem algum tipo de deficiência intelectual. E se inserir no mercado de trabalho representa um enorme desafio para elas.

 

– É um projeto muito importante. Tanto para eles, que têm Down, quanto para nós, da família, para incentivá-los a estar no mundo atual, da tecnologia. Minha sobrinha, por exemplo, tem 21 anos e ama artes, música. É importante para eles se sentirem incluídos, importantes dentro da sociedade – afirmou Maria Antônia da Costa Celestino, moradora de Braz de Pina e tia da Maria Clara Celestino Gonçalves.

  • 21 de março de 2023
  • Pular para o conteúdo