Jovens e adolescentes do Jacarezinho iniciam formação em saúde mental

Publicado em 07/06/2021 - 07:20 | Atualizado

A partir desta segunda-feira (07/06), 29 moradores da região do Jacarezinho, na Zona Norte, com idades entre 14 a 25 anos, vão participar de encontros online do projeto “Promover Para Prevenir em Saúde Mental de Adolescentes”. Como parte da ação, os participantes já receberam do Unicef e do Movimento Saber Lidar um kit conectividade, contendo um celular com chip e recarga de dados para garantir o acesso às aulas, além de um kit socioemocional que traz materiais específicos sobre autocuidado, comunicação não violenta e um guia que poderá ser usado para promover rodas de conversas com outros jovens na comunidade.

Joana Fontoura, oficial de Desenvolvimento e Participação de Adolescentes do Unicef, comenta sobre a importância de abordar a saúde mental com a juventude.

 

– A violência armada impacta duramente a vida de crianças, adolescentes e jovens nas favelas e periferias do Rio. Além das perdas diretas vividas por muitas famílias, adolescentes e jovens têm sua saúde mental sistematicamente afetada. É essencial investir na proteção e o cuidado desses meninos e meninas por meio da promoção e do fortalecimento socioemocional.

 

– Queremos trazer para os jovens do Jacarezinho a essência do projeto Promover para Prevenir em Saúde Mental de Adolescentes, que é o fortalecimento emocional por meio de rodas de conversa estruturadas que ajudam adolescentes e jovens a desenvolver estratégias para construírem ambientes e relações saudáveis – destaca Juliana Fleury CEO Voluntária, da ASEC Brasil/Movimento Saber Lidar.

Essa ação é parte de uma iniciativa mais ampla liderada pela Secretaria Especial da Juventude Carioca (JUVRio), que inclui também atendimento psicológico presencial aos jovens, em parceria com a Casa do Menor São Miguel Arcanjo. Os participantes foram indicados pela Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS), LabJaca e Associação de Moradores do Jacarezinho por terem sido direta ou indiretamente afetados. Consideram-se diretamente impactados os jovens enlutados cujos amigos ou familiares estiveram entre as vítimas da operação e indiretamente impactados aqueles que presenciaram a ação e experimentam os efeitos negativos decorrentes da exposição à violência, ao estresse ao luto.

Secretário da JUVRio, Salvino Oliveira conta que os atendimentos psicológicos dos jovens vão começar também ainda esse mês e fala sobre a importância de auxiliar nessa situação de vulnerabilidade.

 

– O marco de um mês da operação da Polícia Civil do Rio que deixou 28 mortos no Jacarezinho não vai passar em branco para os jovens e adolescentes que foram direta ou indiretamente impactados. É urgente promover ferramentas que ajudem estes jovens a desenvolver habilidades e fortalecimento emocional para mitigar o ocorrido. O curso de saúde mental e a assistência psicológica gratuita são algumas das ferramentas que encontramos para proporcionar isso à juventude do Jacarezinho.

  • 7 de junho de 2021