No Dia dos Pais, servidor da Infraestrutura conta como é conciliar o trabalho com a criação de sete filhos

Publicado em 14/08/2022 - 08:00 | Atualizado em 13/08/2022 - 00:31
Antonio Pierre Lira Filho, a mulher e seus sete herdeiros - Arquivo Pessoal

A vida em uma pequena e divertida comunidade. É assim que o servidor da Prefeitura Antonio Pierre Lira Filho, de 48 anos, descreve o convívio com a mulher e os seus sete filhos no apartamento onde vivem, no bairro de Jacarepaguá, na Zona Oeste da cidade. Em tempos de famílias cada vez menores, a de Pierre foge à regra, mostrando que, nem sempre, três é demais. No entanto, é preciso muito empenho e parceria para fazer as coisas funcionarem no dia a dia.

 

– Eu não daria conta se fosse um pai solteiro. A mãe é fundamental no processo de criação. Lidar com cada criança é diferente, acaba trocando nome, idade. É bem divertido quando você vê as cenas – diz ele.

 

Engenheiro civil formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Pierre Filho é servidor público há 11 anos. Depois de ter passado pela iniciativa privada, em 2010 prestou concurso para a antiga Secretaria Municipal de Obras (atual Secretaria Municipal de Infraestrutura) e foi aprovado, sendo convocado no ano seguinte. Durante esse período, passou por outras pastas, mas foi na Coordenadoria Geral de Projetos — órgão da Infraestrutura em que atua há sete anos — que encontrou a sua segunda casa. Ele conta que a rotina de trabalho é pesada e intensa, mas isso é algo que enxerga como positivo:

 

– A gente começa a ter mais interação com os outros setores (da secretaria). Por exemplo, com a Coordenadoria Geral de Obras, o pessoal de licenciamento, de meio ambiente, e por aí vai. Ter muito trabalho dá a oportunidade de você ter contato com mais pessoas, conhecer o trabalho delas e elas conhecerem o seu. Cria uma sinergia boa, que deixa o trabalho fluir.

 

O sete filhos de Antonio Pierre – Arquivo Pessoal

 

Natural de Brasília, Pierre chegou ao Rio de Janeiro aos 8 anos, junto com os pais e mais dois irmãos. Fez curso preparatório para entrar na Academia da Força Aérea, mas desistiu. Foi influenciado pelo pai, também engenheiro, que decidiu seguir carreira na área de construções. A estabilidade proporcionada pelo serviço público foi um fator importante no planejamento da (grande) família que formou com a terapeuta ocupacional Aureanne Lira.

 

– A questão de você ter a previsibilidade e conseguir planejar melhor a sua vida é um fator que pesou na decisão – explica.

 

Atualmente, o casal tem uma rotina movimentada com os filhos Miguel, de 12 anos; Luiza, de 10; Rafael, de 7; Mariana, 5; Gabriel, de 3; Pedro, de 2; e João Pio, de dois meses. O dia começa cedo, pontualmente às 6h da manhã. Os mais velhos vão para a escola juntos — menos Pedro, que está na creche, e João, o caçula da família.

 

– Eu levo para a escola e minha mulher vai buscar. Quando chegam em casa, eles sabem que têm uma rotina para seguir. São crianças, mas precisamos que tenham disciplina – diz Pierre. – Achava que tinha que ser mais rígido, mas estou começando a melhorar e a fazer o reforço positivo porque a nossa voz é importante para eles.

 

Na Coordenadoria Geral de Projetos, ele supervisiona as chamadas Obras de Artes Especiais da cidade do Rio (passarelas, pontes, viadutos, túneis, ciclovias e passagens subterrâneas). Além de produzir orçamentos, o engenheiro faz vistorias e ajuda a fiscalizar as mais de 1.300 obras tocadas pelo órgão.

 

– O papai trabalhou aqui, olha! É legal, eu comento  com meus filhos. Dá orgulho você ver o resultado do trabalho concretamente, de forma material – conta Pierre, sorridente.

 

Para compensar as horas longe de casa, ele aposta em tempo de qualidade com a família:

 

– Trocamos quantidade de tempo por qualidade. Cada criança tem uma necessidade e uma demanda diferentes. Então, tem que valer a pena estar com seu filho, sua filha. Dar uma qualidade de tempo e de presença para os meus é muito importante. Para mim, essa é a forma concreta de amor.

O fato de ser pai de sete crianças não passa despercebido no trabalho. Muito pelo contrário, as brincadeiras e o clima de camaradagem são uma constante:

 

– Às vezes me perguntam como dou conta. Respondo que o segredo é simples: basta colocar mais um pouquinho de água no feijão e tudo se acerta.

 

Neste Dia dos Pais, Pierre espera uma surpresa dos pequenos:

 

– Acho que eles vão preparar um café da manhã especial, mas o mais importante é que iremos passar o dia em família e com muito amor.

  • 14 de agosto de 2022
  • Skip to content