Programa Favela Bairro urbaniza área e entrega 120 apartamentos no Jardim América

Publicado em 29/07/2019 - 12:32 | Atualizado em 30/07/2019 - 09:47
Funcionários da Prefeitura observam os prédios entregues a moradores de baixa renda no Furquim. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do RioFuncionários da Prefeitura observam os prédios entregues a moradores de baixa renda no Furquim. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, entregou nesta segunda-feira, 29 de julho, 120 unidades habitacionais destinadas ao reassentamento de famílias que viviam em áreas de intervenção do programa Favela Bairro no Parque Furquim Mendes e no Bairro Proletário do Dique, ambos no Jardim América, Zona Norte. Os imóveis, que vão beneficiar cerca de 500 pessoas, têm sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço conjugada, com 42 metros quadrados no total cada um. O Favela Bairro é um programa de urbanização de comunidades carentes. Ao todo, quase 100 mil pessoas deverão ser beneficiadas.

– Essa área aqui era de lixo, abandonada. As pessoas moravam na beira de um valão. Agora vão viver em moradias com dignidade, em habitações descentes, que valem entre R$ 120 mil e R$ 150 mil – afirmou Crivella.

Prédios erguidos pelo programa Favela Bairro no Jardim América. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio
Prédios erguidos pelo programa Favela Bairro no Jardim América. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio

Os apartamentos estão distribuídos num condomínio de seis blocos, com cinco andares e quatro unidades por pavimento. Karla Aparecida Vieira de Oliveira, de 38 anos, que morava com os filhos, Yuri, de 20; Ariane, 16; Sara, 14; e Safira, 7, na beira do Canal de Furquim Mendes, foi a primeira a receber as chaves.

– Saímos do inferno, de um pesadelo, para a vida real – resumiu Karla.

Karla de Oliveira exibe as chaves do apartamento onde vai viver com os filhos. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio

Maria da Penha da Silva, de 52 anos, também morava às margens do valão com quatro filhos, de 15 a 28 anos. Ela conta que chegou a ser mordida por um rato na antiga moradia.

– Vivíamos como animais, em meio a ratos, baratas, enchentes.  Agora vamos morar num palácio – comparou.

Apartamento de dois quartos em que moradores do Furquim passarão a viver com mais dignidade. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio
Apartamento de dois quartos em que moradores do Furquim passarão a viver com mais dignidade. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio

Urbanização e mão de obra da comunidade

O secretário municipal de Infraestrutura e Habitação (SMIH), Sebastião Bruno, ressaltou que as unidades localizadas no térreo do condomínio foram reservadas para pessoas com deficiência. O coordenador de Intervenções de Urbanização Integrada da SMIH, João Audir Martins Brito, lembrou que as obras foram executadas em 34 etapas e empregaram, no pico dos serviços, 250 operários. E informou que 90% da mão de obra foi dos moradores da própria comunidade, o que contribuiu para gerar empregos no local. Toda a área no entorno do novo conjunto habitacional foi urbanizada.

– Nas vias no entorno foram feitas obras de drenagem e pavimentação, calçamento, área de lazer, iluminação pública e arborização – disse Sebastião Bruno.

O próximo empreendimento do programa a ser inaugurado será o do Morro da Baiana, no Complexo do Alemão, também na Zona Norte. Na região estão em andamento obras de urbanização.

Mais sobre o Favela Bairro

As obras do Favela Bairro na região estão beneficiando mais de 11 mil moradores com a construção de 18 km de redes de abastecimentos de água; 28 km de redes de esgotamento sanitário; 8 km de redes drenagem; 10.800 m2 de pavimentação de vias e ruelas; 2.278m de ciclovia; 580m de canalização do Rio Cambuí; implantação do Centro Esportivo Gigantão, com área de 5.640 m2; reforço na iluminação; construção de praças com quadras poliesportivas; e 120 unidades habitacionais para reassentamento.

O Favela Bairro é coordenado pela Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação e desenvolvido em parceria com o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento. Na atual gestão, 21 comunidades nas Zonas Norte e Oeste passaram ou estão passando por obras de transformação, levando mais qualidade de vida a quase cem mil moradores de áreas carentes.

Habitações populares

A Prefeitura do Rio desenvolve também, em parceria com o governo federal, o programa Minha Casa Minha Vida. A atual gestão já entregou, desde 2017, 4,2 mil unidades de habitação popular. Outras 600 estão em fase de conclusão para também beneficiar moradores de áreas carentes e baixa renda.