Mais 255 famílias de baixa renda em Santa Cruz recebem o RGI, documento de propriedade de seus imóveis

Publicado em 30/10/2019 - 12:44 | Atualizado em 30/10/2019 - 13:15
Dona Maria Luiza vivia no Complexo do Alemão em área de risco, e agora é proprietária de fato de apartamento em condomínio, com mais conforto e segurança. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do RioDona Maria Luiza vivia no Complexo do Alemão em área de risco, e agora é proprietária de fato de apartamento em condomínio, com mais conforto e segurança. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, entregou nesta quarta-feira, 30 de outubro, o Registro Geral de Imóveis (RGI) a 255 famílias do Condomínio Park Topázio, em Santa Cruz, Zona Oeste. Outras cinco, do mesmo empreendimento, também receberão o registro, assim que providenciarem documentações pendentes. Ao todo, 13 blocos de apartamentos compõem o Park Topázio. Os moradores, agora donos dos imóveis de fato, são pessoas de baixa renda, contemplados com a casa própria por sorteio, em 2017.

Desde o início da atual gestão municipal, 11.622 famílias (45.674 pessoas), incluindo as que estão recebendo o RGI nesta data, foram beneficiadas com o documento de propriedade de seus imóveis. A previsão, até o fim do governo, é que o programa alcance 25 mil famílias (cerca de 100 mil pessoas) beneficiadas com o documento. A maioria das pessoas viviam antes em condições degradantes, em áreas de risco ou assoladas pela violência.

– Esse documento faz com que hoje o seu imóvel valha mais, por isso ele é tão importante. É o mesmo documento que uma madame que mora na Vieira Souto (rua em Ipanema, na Zona Sul) tem. Amanhã o morador pode deixar para o seu netinho. Essa é uma grande vitória – afirmou Crivella.

Dona Ivana e seu Valdir: RGI é um presente para a família. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio
Dona Ivana e seu Valdir: RGI é um presente para a família. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio

Para Ivana da Silva, de 57 anos, que vive com o deficiente visual Valdir Sobral, de 64, com quem tem dois filhos – Valdir, 20, e Nívea, 18 –, o RGI é o “presente de fim de ano” da família.

– É um presentão, o mais aguardado. Estamos muito felizes – contou.

Maria Luiza do Nascimento, de 74 anos, se disse aliviada:

– Por chegar a essa idade e ter um patrimônio para deixar para o meu filho (Márcio Luiz, de 45 anos). Saímos de uma área de risco no Complexo do Alemão, onde os tiroteios eram diários, para morar nesse mar de tranquilidade. Não temos palavras para agradecer – comentou Maria Luiza.

Park Topázio, em Santa Cruz: condomínio do Minha Casa Minha Vida. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio
Park Topázio, em Santa Cruz: condomínio do Minha Casa Minha Vida. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio

De acordo com o secretário municipal de Infraestrutura, Habitação e Conservação, Sebastião Bruno, esse é o segundo condomínio, de sete existentes na região, com mais de oito mil pessoas que tem RGI entregue.

– Os moradores de todos eles receberão o RGI em breve – adiantou o secretário.

Saiba mais sobre o RGI

O RGI garante a propriedade dos apartamentos e significa a realização do sonho da casa própria. O Condomínio Park Topázio, inaugurado em 2017, tem 260 unidades, distribuídas em 13 blocos. Os beneficiados foram sorteados por meio do programa Minha Casa Minha Vida, parceria da Prefeitura com o Governo Federal, via Caixa Econômica, para construção de habitações populares.

Na atual gestão, já foram entregues cerca de nove mil moradias construídas pelo Minha Casa Minha Vida, ajudando a realizar o sonho de 35 mil pessoas que vivem na cidade do Rio.

Saiba mais sobre o Minha Casa Minha Vida

Há duas formas de participação no programa: por reassentamento ou por sorteio, quando o candidato se inscreve para ser contemplado com o imóvel. O valor da prestação varia de R$ 80 a R$ 270 mensais. Os interessados devem ter mais de 18 anos e se inscrever na Rua da Constituição 34, Centro.

Para a adesão é preciso apresentar a documentação original do titular do cadastro e do cônjuge, se houver. Os documentos são: carteira de identidade, certidão do registro civil, CPF, comprovante de residência, contracheque ou comprovante de benefícios que prove renda e certidão de nascimento de filhos menores de 18 anos.

Podem participar do programa pessoas que não têm casa própria ou financiamento habitacional em qualquer localidade do Brasil e que nunca foram beneficiadas por programas de habitação social do governo.