Guarda Municipal ganha novos cães que vão reforçar a tropa do Canil

Publicado em 19/08/2021 - 07:24 | Atualizado em 19/08/2021 - 07:45
Os novos cães vão reforçar a tropa do Canil da Guarda Municipal - Marcelo Piu/Prefeitura do Rio

A Guarda Municipal do Rio (GM-Rio) ganhou um reforço de peso em sua tropa do Grupamento de Cães de Guarda (GCG), com o nascimento de oito novos cães que vão compor o plantel da instituição. A nova ninhada nasceu no dia 12 de julho, no Canil Maternidade da GM-Rio, que fica localizado em Campo Grande, na Zona Oeste da cidade. São oito filhotes da raça belga de malinois, que é amplamente utilizada pelas forças policias no mundo, sendo cinco machos e três fêmeas.

A tropinha já foi batizada com nomes iniciados pela letra O, porque cada ninhada que nasce na Guarda recebe uma letra do alfabeto sucessivamente. A tradição serve para melhor controle e identificação das matilhas. Os nomes dos machos são Osíris, Orion, Ômega, Orfeu e Odin. Já as fêmeas se chamam Ohana, Orly e Olga. Eles são filhos da cadela Mila, que já compõe o plantel da GM-Rio.

Com o nascimento dos novos cães, a tropa canina da Guarda passa a contar com 38 cães das raças Belga de Malinois, Pastor Alemão, Fox Paulistinha e Dálmata. A última “contratação” de novos integrantes com cães nascidos na própria instituição tinha acontecido em 2017 e em 2018 novos integrantes foram recebidos por meio de doação. A nova ninhada vai proporcionar a renovação do efetivo de cães e também reforçar o trabalho já desenvolvido pelo Canil.

 

– Essa renovação é importante para o nosso Canil, que é um grupo extremamente importante na rotina operacional da Guarda Municipal. Esse grupamento especial dá suporte em diversas missões estratégicas da instituição. O emprego de cães nas ações de patrulhamento proporciona sensação de segurança à população e é extremamente eficaz na prevenção a desordens e delitos – destaca o comandante da GM-Rio, inspetor geral José Ricardo Soares.

 

Em breve, os novos cães vão começar os treinamentos. Desde bem pequenos eles já recebem estímulos dos guardas adestradores para se ambientarem à rotina do grupamento, que começa com brincadeiras até chegar a introdução a comandos de obediência.

Quando completarem um ano, os novos cães estarão nas ruas para os serviços operacionais e também para o trabalho de cinoterapia, que é o emprego de animais em sessões terapêuticas; e para as apresentações de showdog, que tem o objetivo de interagir com a população. Todo o processo é cuidadosamente planejado para que o Canil tenha os melhores cães em seu efetivo.

 

Quando completarem um ano, os cães irão às ruas para os serviços operacionais – Marcelo Piu/Prefeitura do Rio

Operações especiais com emprego de cães

 

Atualmente, o Canil da GM-Rio está atuando em duas operações estratégicas em diversos pontos da cidade. Desde o mês de maio, os integrantes do grupamento reforçaram o patrulhamento preventivo na região da Leopoldina, em Santo Cristo, para promover o ordenamento urbano e também proporcionar maior sensação de segurança a motoristas, passageiros de transportes públicos e pedestres que circulam na região. O trabalho acontece diariamente contando com três agentes e dois cães. Em cerca de dois meses de atuação, foram aplicadas 91 multas de trânsito e registradas 27 ocorrências, incluído prisões, apreensões de réplicas de arma de fogo e celulares, e muitos casos de auxílio ao público, principalmente de acidentes de trânsito, panes mecânicas e socorros diversos.

Agora, em agosto, o Canil deu início à Operação K9. Durante o dia, uma equipe tática com cão realiza o patrulhamento em diversos pontos da cidade, a partir de solicitação de apoio de outras unidades operacionais ou de ações de inteligência, que detectam manchas de desordem que demandam a atuação do grupamento especial. Os cães são empregados em locais como a Praça Paris, o Campo de Santana, a Quinta da Boa Vista, a Orla de Copacabana, entre outros, de forma alternada e o patrulhamento ocorre de maneira itinerante.

Sobre o Canil da GM

O Grupamento de Cães de Guarda (GCG) foi criado em 24 de março de 1994 com a finalidade de auxiliar patrulhas em ruas, monumentos e prédios públicos da cidade. No início, eram 17 guardas municipais e apenas seis pastores alemães, sem pedigree. Hoje, o efetivo conta com 38 cães, que recebem treinamento frequente para atuar no patrulhamento e em ações de interação social com os cidadãos cariocas, por meio de apresentações de Showdog.

 

Os cães também participam de trabalhos de cinoterapia e apresentações de Showdog – Marcelo Piu/Prefeitura do Rio
  • 19 de agosto de 2021