Alexandra Olímpio, guarda municipal, cumpre expediente nas ruas do Rio e na Sapucaí

Publicado em 21/02/2020 - 10:10 | Atualizado em 21/02/2020 - 12:49
Alexandra Olímpio, Guarda Municipal e passista: ela desfila desde 2011 na Unidos da Tijuca. Foto: Hudson Pontes / Prefeitura do Rio

Na segunda-feira de carnaval, Alexandra Maria Olímpio vai atravessar a Marquês de Sapucaí como passista da Unidos da Tijuca, na ala Encantos do Pavão. Mas, durante todo o ano, ela cumpre expediente em outra via da cidade, a Avenida Lúcio Costa, no Recreio dos Bandeirantes, como guarda municipal. Os figurinos usados em cada uma das funções são bem distintos, mas, seja de uniforme ou vestido brilhante, ela assume a responsabilidade com o mesmo amor e talento.

Guarda municipal há oito anos, Alexandra tem mais tempo de experiência como passista: começou ainda criança na Aprendizes do Salgueiro, depois foi para o Salgueiro e, desde 2011, está na Unidos da Tijuca.

– Sou apaixonada por carnaval. E não falo isso só pelo samba. Carnaval é cultural, é um mundo, gera empregos. Não consigo mensurar o valor dele. Carnaval não acaba depois desfile. É o ano inteiro – ressalta Alexandra.

Para se apresentar durante pouco mais de uma hora na Sapucaí, ela conta que inicia a preparação em junho. Além de participar dos ensaios para a folia, ela reforça os treinos de musculação e de corrida e tenta melhorar a alimentação:

– Tento fazer uma dietinha básica para ficar mais leve, isso ajuda na evolução.

A rotina regrada acaba ajudando na performance da Guarda Olímpio, como Alexandra é conhecida na Prefeitura. Segundo a servidora, como ela sempre foi do samba, a função de passista nunca foi segredo entre os colegas de profissão:

– Eu já desfilava, então eles sempre souberam que eu era passista.

Casada e mãe duas filhas, Alexandra iniciou sua carreira na Guarda na Unidade de Ordem Pública (UOP) da Tijuca e, dois anos após, passou a integrar a equipe do Grupamento Especial de Trânsito (GET) da Barra da Tijuca, onde trabalha atualmente. Nas últimas quintas-feiras, após o expediente, ensaiava os passos que desfilará no Sambódromo.

Em casa, a guarda conta com o apoio total e irrestrito da família para poder conciliar as atividades profissional e de passista.

– Minha família me apoia muito. Eu consigo administrar meu tempo para me dedicar à família, à profissão e ao samba. Eu não iria conseguir sem o apoio deles. Até os meus colegas de trabalho me incentivam quando me veem na quadra ou na avenida.

 

Alexandra Olímpio, no Sambódromo
Alexandra Olímpio, no Sambódromo. Foto: Hudson Pontes / Prefeitura do Rio