Prefeitura prorroga até 2051 a concessão do Estádio Nilton Santos para o Botafogo

Publicado em 22/12/2021 - 17:22 | Atualizado em 22/12/2021 - 17:26
O prefeito do Rio, Eduardo Paes, assina o termo aditivo que prorroga a concessão do Engenhão - Marcelo Piu/Prefeitura do Rio

O Prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e o secretário Municipal de Fazenda e Planejamento, Pedro Paulo, assinaram com o Botafogo, nesta quarta-feira (22/12), um termo aditivo que estende o contrato de concessão do Estádio Nilton Santos, o Engenhão, por mais 20 anos. O clube já responde pela concessão em vigor até 2031 e, com o aditivo, fica responsável pela operação do equipamento até 2051.

 

– O Vasco tem sua casa, Flamengo e Fluminense consolidam sua relação com o Maracanã e nada mais natural que o Botafogo, em um momento de mais organização, também consolide seu papel e use esse estádio como um ativo para o clube. O Botafogo vive uma grande fase, ganhou a Segunda Divisão e está em reconstrução depois de um período muito difícil. O clube tem um projeto para o Estádio Nilton Santos que melhora muito o entorno da região, traz emprego, gera riqueza. O Rio de Janeiro só tem a celebrar – afirmou o prefeito do Rio.

 

A assinatura do aditivo foi realizada no próprio Engenhão, com a presença do presidente do Botafogo, Durcesio Mello, e o CEO do Alvinegro, Jorge Braga. Também participou da cerimônia o presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ), Henrique Carlos de Andrade Figueira.

 

– Hoje é um dia muito importante para o Botafogo. Queremos fazer desse estádio um polo de referência nacional, atrair grandes investidores, gerar empregos, impactar a vida dessa comunidade e tornar o Estádio Nilton Santos o símbolo do Botafogo que tanto sonhamos. Mais do que a extensão de concessão, o que redefinimos aqui é um projeto para o Rio de Janeiro, o maior beneficiado é o carioca – disse o presidente do Botafogo.

 

O novo contrato prevê o reequilíbrio financeiro da operação para recompor perdas durante o período em que o estádio ficou fechado por problemas estruturais, entre 2013 e 2014, além das que foram geradas pela pandemia. Além disso, o clube assume o compromisso investir na melhoria da estrutura do estádio e do seu entorno.

A concessão também prevê a possibilidade de realização de eventos e show no Nilton Santos e a cessão do nome do estádio para um patrocinador, o que é conhecido como “naming rights”. O secretário de Fazenda e Planejamento destacou o êxito da negociação para que o novo compromisso fosse firmado.

 

– Trabalhamos intensamente para chegar ao dia de hoje. O que estamos fazendo aqui leva em consideração a utilização desse espaço e também um bom aproveitamento do entorno. Essa extensão leva em consideração três aspectos: reequilíbrio econômico e financeiro pelo prejuízo com o problema na cobertura e a paralisação durante a pandemia; o ambicioso plano de investimento do clube; e a Prefeitura não ter custos na manutenção do estádio, podendo, assim, investir mais em saúde, educação, transporte, entre outros – destacou o secretário Pedro Paulo.

 

O prefeito Eduardo Paes ganhou do presidente do Botafogo uma camisa do clube – Marcelo Piu/Prefeitura do Rio
  • 22 de dezembro de 2021