Professor da Prefeitura do Rio vence o Prêmio Shell de Educação Científica

Publicado em 28/12/2020 - 17:06 | Atualizado em 01/01/2021 - 17:08
  • Início/
  • /
  • Professor da Prefeitura do Rio vence o Prêmio Shell de Educação Científica
Professor da Prefeitura do Rio vence o Prêmio Shell de Educação Científica
Esta foi mais uma grande conquista de Luiz Felipe Lins, da E. M. Francis Hime, eleito Educador do Ano no Prêmio Educador Nota 10
 
O professor de matemática Luiz Felipe Lins, da Escola Municipal Francis Hime, na Taquara, zona oeste, é o grande vencedor do Prêmio Shell de Educação Científica na categoria Ensino Fundamental – sendo consagrado com esta nova conquista após ter vencido também o Educador Nota 10 há dois meses. Com um projeto pedagógico diferenciado e criativo, que alia geometria e números aos desafios cotidianos da construção civil, ele ficou em primeiro lugar entre os cinco finalistas da premiação no Estado do Rio de Janeiro, em cerimônia virtual realizada na noite desta terça-feira (22/12). Pela conquista, Luiz Felipe recebeu uma viagem educativa para Londres e R$ 8 mil. Além disso, a E.M. Francis Hime ganhou um projetor multimídia e um laptop com alto-falante.O Prêmio Shell de Educação Científica tem como objetivo incentivar e valorizar professores das áreas de ciências e matemática no Rio de Janeiro e Espírito Santo, premiando projetos de educação inovadores que, por meio de metodologias diferenciadas, imprimam novas formas de ensinar e de aprender.

– Esta conquista não é só minha. É dos meus alunos, da Escola Francis Hime e de toda a Rede Municipal de Educação do Rio. Sem esse suporte, nada seria possível. A sensação de conquistar o prêmio foi maravilhosa. Só sinto falta de poder comemorar com as crianças. Hoje a gente festeja junto no nosso grupo de Whatsapp, só que faltam os abraços, a bagunça. Ano que vem, quando for mais seguro, vamos comemorar muito – contou Luiz Felipe.

Nova premiação

Esta é mais uma grande conquista de Luiz Felipe pelo projeto batizado “Geometria e Construção”. Em outubro, ele foi eleito o Educador do Ano na cerimônia do Prêmio Educador Nota 10 – considerado o mais importante prêmio da educação básica brasileira – superando quase 4 mil projetos inscritos por educadores de todo o país.

Professor da Rede Municipal de Ensino há 25 anos, Luiz Felipe se diz ainda mais motivado para seguir desempenhando um ótimo trabalho com seus alunos.

– Num ano tão complicado para todo mundo, vencer prêmios tão importantes da Educação é a condecoração de um trabalho de 25 anos. Acredito que estou na contramão do que muitas pessoas pensam, que com os anos o profissional desmotiva. O tempo me deu a experiência e a convicção de que eu faço a diferença na vida das pessoas. Posso transformar positivamente a vida dos meus alunos. Falta muito a fazer – disse o professor.

Matemática na prática

Luiz Felipe teve a ideia do projeto, batizado “Geometria e Construção”, depois de levar aos alunos a planta de um imóvel do programa “Minha Casa Minha Vida” que estava sendo construído próximo à escola e explicar as informações matemáticas contidas nela. A partir do entusiasmo e interesse da garotada, o professor deu à turma a tarefa de trabalhar os temas da construção civil com as aplicações da geometria e dos números.

Os alunos precisaram desenhar a planta baixa de uma casa e construir a maquete. Na etapa seguinte, montaram um planejamento para revestimento, apresentando: o piso escolhido para cada cômodo e o material necessário como argamassa, espaçadores e rejunte. Os estudantes fizeram trabalho completo, com pesquisas pela internet e nas lojas físicas de material de construção. Foi necessário até pegar orçamento com pedreiros da região. Todo o exercício foi aplicado em cima de conceitos matemáticos estudados no 7º ano: área e perímetro das principais figuras planas, proporcionalidade, ângulos, unidades de medidas, escalas e elaboração de planilhas.

No fim, os grupos precisaram apresentar para a turma a maquete, um vídeo mostrando imagens da elaboração do trabalho, a planta baixa da casa, planilha de todos os custos e uma avaliação individual, apontando as dificuldades, as aprendizagens e os conceitos matemáticos observados durante a realização do projeto.

– A ideia foi trazer para os estudantes o concreto da matemática, a aplicação da geometria no cotidiano, aquilo que realmente faz sentido para eles. Quando o aluno vê como funciona na prática, desperta nele potencialidades que nem sabia que tinha – contou.

  • 28 de dezembro de 2020