Município planeja implantar duas Escolas Cívico-Militares em 2020, com robótica na grade curricular

Publicado em 14/11/2019 - 08:36 | Atualizado em 14/11/2019 - 10:27
Escola municipal. Foto: Richard Santos / Prefeitura do RioEscola municipal. Foto: Richard Santos / Prefeitura do Rio

A Prefeitura do Rio de Janeiro está em negociações para implantar duas Escolas Cívico-Militares no município a partir do ano letivo de 2020. Uma novidade é a inclusão na grade curricular de disciplinas como robótica e iniciação esportiva, além de atividades extracurriculares. Cada unidade terá capacidade para cerca de 560 alunos do sexto ao nono ano do Ensino Fundamental, com idades entre 11 e 14 anos em média. Os locais ainda estão em estudo. De acordo com o Ministério da Educação, o programa nacional das escolas cívico-militares tem como marco a implantação do projeto-piloto no ano que vem.

Com 16 turmas, compostas por 35 alunos em cada, as escolas funcionarão em turno único de oito horas, das 7h30 às 15h30. Os alunos também poderão participar de atividades extracurriculares, das 16h às 17h30, como o programa Orquestra Carioca, lançado pela Secretaria Municipal de Educação e que já atingiu 11 mil estudantes da rede, ou a Escola de Lutas, que faz parte do Sábado Carioca. Serão servidas três refeições aos alunos – desjejum, almoço e lanche. Cada Escola Cívico-Militar terá 21 professores. Parceiros militares também poderão participar das atividades pedagógicas.

Sobre as escolas cívico-militares

O Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares é uma iniciativa do Ministério da Educação, em parceria com o Ministério da Defesa, que apresenta um conceito de gestão nas áreas educacional, didático-pedagógica e administrativa, com a participação do corpo docente da escola e apoio dos militares.