Com 15 mil livros disponíveis, biblioteca na sede da Prefeitura está aberta a toda a população

Publicado em 22/04/2019 - 17:50 | Atualizado em 24/04/2019 - 10:51
Biblioteca da SME

Não é de hoje que a Biblioteca Lourenço Filho, localizada na sede da Prefeitura do Rio de Janeiro, na Cidade Nova, é um polo de conhecimento e imaginação em meio à rotina de trabalho dos servidores públicos municipais. Há mais de 30 anos, a biblioteca da Secretaria Municipal de Educação, que homenageia o educador e pedagogista brasileiro que empresta seu nome ao espaço, possui um acervo de 15 mil títulos e está disponível a toda a população para consultas, leituras, empréstimos e o que mais for possível dentro do universo literário. E o melhor: a biblioteca está aberta a todos os cidadãos, não só funcionários públicos.

O espaço funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, na sala 421 do prédio principal da Prefeitura do Rio, no Centro Administrativo São Sebastião (CASS), à Rua Afonso Cavalcanti, 455 – Cidade Nova.

 

Biblioteca da SME

 

Biblioteca da SME

Paulo Freire, Machado de Assis, Ruth Rocha, Ana Maria Machado, Monteiro Lobato, Ziraldo, Thalita Rebouças, Shakespeare, Agatha Christie e J. K. Rowling são alguns dos autores que lotam as prateleiras e enchem os olhos dos leitores sedentos por novas histórias e também para incrementar suas pesquisas escolares e acadêmicas. O acervo é bem diversificado, passando da literatura clássica à contemporânea, além de livros específicos de Educação, entre outros.

Qualquer cidadão pode se tornar sócio da biblioteca, que hoje tem 3 mil associados. Para fazer a ficha de empréstimo, basta apresentar o documento de identidade ou o crachá funcional. Os leitores têm o direito de permanecer com, no máximo, dois livros por até 15 dias. Caso seja necessário, é possível renovar o aluguel por mais tempo, a menos que haja reserva do título para outro leitor.

Além do empréstimo, a biblioteca recebe a doação de livros para ampliar seu próprio acervo, o das 14 bibliotecas municipais da SME e o das mais de 1.000 salas de leitura espalhados pelas unidades escolares de toda a cidade.

– As bibliotecas e salas de leitura são importantes para democratizar o acesso aos livros. Ler é de graça, amplia o vocabulário e o conhecimento nas mais diversas áreas – destaca Carla Celestino, gerente de leitura da SME.