Prefeitura do Rio regulamenta as Rodas de Samba na cidade

Publicado em 05/11/2021 - 20:10 | Atualizado
O prefeito do Rio, Eduardo Paes, assina o decreto que regulamenta as rodas de samba na cidade - Beth Santos/Prefeitura do Rio

No Dia Nacional da Cultura, comemorado nesta sexta-feira (5/11), a Prefeitura do Rio regulamentou as Rodas de Samba em espaços públicos cariocas. O prefeito Eduardo Paes, ao lado dos secretários de Cultura, Marcus Faustini, e de Governo e Integridade Pública, Marcelo Calero, assinou o decreto no Museu de Arte do Rio, na Praça Mauá, com direito a roda de samba. A partir de agora, haverá um novo cadastramento e um calendário atualizado para o circuito das Rodas de Samba, atendendo a normas da Vigilância Sanitária e das secretarias de Ordem Pública (Seop), de Cultura (SMC) e de Governo e Integridade (Segovi).

 

– Eu tenho muito orgulho de ter colocado muito recurso para a cultura nos meus dois mandatos. Fiz questão de terminar aqui meus eventos no Dia Nacional da Cultura, dizendo que esse dinheiro vai pintar, o caixa está bom, organizamos as contas da prefeitura. Temos condição de prestar nossos serviços. A cultura vai voltar a ter muito apoio, porque é a cultura que revela a nossa identidade – afirmou o prefeito do Rio.

 

O decreto criou o Novo Programa de Desenvolvimento Cultural Rede Carioca de Rodas de Samba, com o objetivo de organizar os espaços públicos durante a sua realização. Além disso, a norma busca valorizar a produção musical, difundir as obras produzidas coletivamente ou individualmente e viabilizar iniciativas para favorecer o surgimento de novas manifestações deste tipo.

 

– Estamos trabalhando desde janeiro com diálogo e discutindo um caminho de apoio às rodas de samba. A partir desse decreto viramos uma página de perseguição à maior expressão cultural dessa cidade. Daqui pra frente vem muita novidade, temos um prefeito que gosta e trabalha pela cultura – disse o secretário de Cultura, Marcus Faustini.

 

O decreto determina que cada Roda de Samba cadastrada só pode se apresentar uma vez por semana e em áreas que não conflitem com a realização de outros eventos ou em locais não permitidos para este tipo de evento, como nas saídas de metrô do Largo do Machado, das praças Afonso Peña, Saens Peña, Antero de Quental e Nossa Senhora da Paz, assim como em áreas onde aconteçam as feirartes. A fiscalização dos eventos ficará sob a responsabilidade da Secretaria de Ordem Pública (Seop) e será proibida a venda de ingressos para as manifestações culturais que aconteçam em áreas públicas.

 

– É uma alegria estar aqui hoje, é muito simbólico. Estamos falando das rodas de samba e, mais uma vez, legitimando essa manifestação que é tão importante, que tem a ver com a nossa identidade, que é a própria alma do Rio de Janeiro. Por meio desse decreto estamos promovendo a sustentabilidade das rodas de samba, permitindo que elas sejam a cara do Rio de forma permanente – declarou o secretário de Governo e Integridade Pública, Marcelo Calero.

 

Incentivo à cultura do Samba

A legislação também inova ao normatizar o “Empreendedorismo Cultural do Samba”, que permite que expositores e colaboradores comerciais exerçam suas atividades durante a realização do evento. Desta forma, será permitida a comercialização de produtos artísticos, incluindo artesanato, vestuários e gastronomia, relacionados à temática do samba. O número máximo de expositores será de 22 e a atividade está condicionada à realização da atividade musical “ao vivo”.

 

– É um dia de muita felicidade. No Rio de Janeiro, em qualquer lugar, tem uma roda de samba. A roda de samba é uma tecnologia social que desenvolveu o Rio territorialmente e economicamente. Povo nenhum do mundo abriria mão de investir naquilo que o mundo mais ama em você. Quem vem no Rio de Janeiro quer ouvir samba – disse o presidente da rede carioca das rodas de samba, Wanderso Luna.

 

Atualmente, segundo mapeamento realizado pela secretaria de Cultura, há aproximadamente 150 rodas integradas à Rede Carioca de Rodas de Samba. Cabe ressaltar que todas essas serão mantidas até a finalização do novo cadastramento, que será realizado após um chamamento público no Diário Oficial do município.

O evento que marcou a novo ordenamento para a realização desse tipo de evento na cidade contou com a apresentação da roda de samba Pede Teresa, criada no Bairro de Fátima e que há anos anima a Praça Tiradentes às sextas-feiras. Formado por Alex Oliver (percussão geral), Blade Percussão (percussão e voz), Leo Rosário (cavaco e voz) e Luna (percussão e voz), o grupo toca composições de nomes que vão de Ismael Silva, Cartola e Candeia a Zeca Pagodinho, Jorge Aragão e Galocantô, passando por Roberto Ribeiro, Dona Ivone Lara, Fundo de Quintal, Jovelina Pérola Negra, e Almir Guineto.

  • 5 de novembro de 2021