Prefeitura do Rio celebra 16 anos do Centro Coreográfico da Cidade

Publicado em 04/08/2020 - 19:27 | Atualizado
Com uma programação online consolidada neste período de pandemia , o espaço é referência na América Latina. - Foto: Divulgação/SMC

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, celebra os 16 anos do Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro , que se consolida como referência na criação de espetáculos de dança e um dos principais espaços de arte da América Latina.

Com uma série de programações online , o espaço segue produzindo conteúdo e dando visibilidade a artistas e projetos. Hoje, o espaço é um grande centro de pesquisa, apresentação e encontro da dança.

“O Centro Coreográfico da Cidade do Rio é fundamental no acesso a pesquisa e produção em dança , não só na cidade do Rio , mas para a Cultura nacional. Só tenho a agradecer a toda equipe que vem se empenhando em manter uma programação diária e relevante mesmo em meio a pandemia que vivemos!”, disse o secretário Municipal de Cultura, Adolfo Konder.

Nesse período de pandemia , a equipe do Centro Coreográfico vem elaborando seleções de vídeos com alguns dos espetáculos de dança que passaram pelo palco do Teatro Angel Vianna, além de conversas ao vivo com projetos e produções parceiras que iriam ocupar fisicamente o Centro Coreográfico ao longo do ano de 2020.

O primeiro projeto, “Centro Coreográfico em Casa”, foi criado em março, e consiste em uma programação virtual de espetáculos que já conta com mais de 10 edições.

Alem de outras produções de sucesso como “Midiateca em Movimento: artistas-residentes em foco”, “Painel Dança-Educação”, “Face a Face: videodança em debate” , realizado em parceria com o Face a Face plataforma de artes performativas, que estava pautado para acontecer fisicamente em 2020, entre outros. Todos elaboradores pela equipe do Centro neste momento de pandemia.

O Centro recebe uma média de 35 companhias a cada semestre para atividades de pesquisa, ensaios e apresentações informais. E mesmo em isolamento social, as companhias e artistas residentes colaboram com toda programação online.

Para Diego Dantas, coordenador do Centro Coreográfico , a dança criou novas formas de se reinventar.

“O estado de emergência fez com que todos nós encontrássemos maneiras de existir e produzir, lecionar, respeitando o isolamento social. A dança traz consigo o pensamento sobre o corpo, a arte, a necessidade de movimentação. Encontramos em nossas casas possibilidades de criar espaços possíveis de arte, respiração e troca de informações através de lives, videodanças, aulas online e registros de espetáculos!”, disse.