Subvisa aplica microchip em bichos de estimação neste domingo, para cadastro no Registro Geral de Animais

Publicado em 28/11/2019 - 12:40 | Atualizado em 28/11/2019 - 13:08
A Praça Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, é ponto de encontro de animais de estimação e será local da microchipagem de domingo. Foto: divulgação / Subvisa A Praça Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, é ponto de encontro de animais de estimação e será local da microchipagem de domingo. Foto: divulgação / Subvisa

Quem tem cão, gato ou outro bichinho de estimação não pode perder a oportunidade de incluí-lo no Registro Geral de Animais (RGA), cadastro online e gratuito criado pela Prefeitura do Rio de Janeiro, por intermédio da plataforma digital Sisbicho. Uma boa chance é neste domingo, 1º de dezembro, das 8h às 13h. A Subsecretaria municipal de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses (Subvisa) vai oferecer, na Praça Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, o serviço de microchipagem dos animais. A colocação do chip, que não dói, além de ser rápida e segura, é que possibilita o cadastramento do pet (a aplicação é subcutânea, no pescoço do animal, e o chip tem o tamanho de um grão de arroz). As vantagens da microchipagem e do cadastro de animais foram apresentadas nesta quinta-feira, 26 de novembro, em reportagem ao vivo no programa Mais Você, de Ana Maria Braga, na TV Globo.

– Se você acha que colocar microchip é só para cachorro de rico, não. Existe uma iniciativa que pretende popularizar esse serviço – anunciou a apresentadora, ao comentar a ação da Prefeitura.

A microchipagem em clínicas veterinárias particulares chega a custar R$ 400, informou a reportagem. Neste domingo, em Ipanema, poderá ser feita por apenas R$ 25 (a aplicação é gratuita somente em casos de animais levados para castração nas unidades municipais que oferecem o serviço).

– Existem vários benefícios importantes do microchip. Se o animal fugir, se perder ou mesmo for roubado, você pode buscar ajuda em uma das nossas duas unidades de zoonoses ou em uma das 200 clínicas já credenciadas pela Vigilância para terem acesso ao RGA – destacou a subsecretária de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses, Márcia Rolim.

Sistema vincula animal ao proprietário em documento

O husky siberiano John, que já tem o microchip. Foto: reprodução de TV
O husky siberiano John, que já tem o microchip. Foto: reprodução de TV

Depois de receber o chip, o animal é então cadastrado e ganha uma carteirinha com foto. No cadastro online ficam dados como nome, raça, data de nascimento e número do chip, o que facilita o embarque dos bichos em voos e auxilia a identificação dos que fugirem, estiverem perdidos ou forem roubados.

– A função do RGA é, em primeiro lugar, identificar o animal, dar uma identidade para ele. Em segundo, é vincular esse animal ao proprietário. Quando o dono registra o animal, constam dados como o CPF, telefone, e-mail e endereço no registro geral que é acessado apenas por profissionais cadastrados. Esses dados ajudam a localizar o dono. O RGA é também uma ferramenta de posse responsável, que evita o abandono de animais e é fundamental para a definição de ações de prevenção de riscos à saúde pública, como o dimensionamento do número de animais que existem na cidade. Assim, podemos planejar melhor as políticas públicas de controle de zoonoses, como a vacinação antirrábica e a castração dos animais que fazem parte dos programas de controle populacional – explicou Márcia Rolim.

Louro José agora também tem carteirinha

Mascote do programa de Ana Maria Braga, o papagaio Louro José ganhou a carteirinha dele do Sisbicho. A brincadeira serviu para mostrar na TV como é o documento que os donos dos animais recebem ao cadastrar seus animais.

Desde 16 de setembro, quando foi lançado o Sisbicho, a microchipagem passou a ser obrigatória para os casos de venda e doação e recomendada a todos os donos de animais de estimação. O acesso ao cadastro é pelo endereço eletrônico sisbicho.rio.

Carteirinha de identificação no Sisbicho do Louro José. Foto: reprodução de TV
Carteirinha de identificação no Sisbicho do Louro José. Foto: reprodução de TV

Como clínicas veterinárias podem se credenciar

Para terem acesso ao Sisbicho, clínicas, consultórios, canis, gatis, hotéis para animais de companhia e demais estabelecimentos pets devem se credenciar presencialmente na Coordenação de Vigilância em Zoonoses, na Rua do Lavradio, 180, 4º andar, na Lapa, sede da Subvisa, órgão gestor do novo sistema.

O processo é feito pelo representante legal ou procurador da empresa a ser credenciada, mediante apresentação da original ou cópia do alvará do estabelecimento e do contrato social; licença sanitária impressa; comprovante de responsabilidade técnica do médico-veterinário; ficha de solicitação de credenciamento preenchida e assinada; e procuração para o profissional que não esteja no contrato social da empresa.