Prefeitura entrega novos equipamentos ao Hospital Lourenço Jorge e AO CER Barra

Publicado em 13/06/2020 - 13:49 | Atualizado
Os equipamentos fazem parte da renovação do parque tecnológico das unidades de saúde. Crédito: Mariana Ramos / Prefeitura

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, entregou neste sábado (13/06) ao Hospital Lourenço Jorge e ao CER Barra 17 eletrocardiógrafos, 2 desfibriladores, 3 equipamentos de ultrassonografia com doppler, 8 focos cirúrgicos de teto e 16 focos auxiliares de Led. Os equipamentos fazem parte da renovação do parque tecnológico das unidades de saúde municipais.

– Estamos deixando o Rio com um parque tecnológico fantástico para a área de saúde. Além de todos esses equipamentos, foram 27 tomógrafos e 726 respiradores (505 já chegaram à cidade e estão em funcionamento). E ainda conseguimos ajudar o governo do estado e prefeituras de outros municípios do estado cedendo respiradores e outros aparelhos para combater essa pandemia. Isso é uma bênção – afirmou o prefeito.

Profissionais da saúde merecem toda a atenção

Crivella lembrou que o Rio está conseguindo vencer a Covid-19 não apenas com equipamentos novos, mas, principalmente, com o trabalho dedicado de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, que têm dado a vida para salvar vidas. Ele disse que faz e fará todo o esforço para a aprovação do Plano de Cargos e Salários desses profissionais.

– Faço uma homenagem primordial a esses trabalhadores da saúde, heróis incansáveis. A eles devemos muito. E essa dívida será paga, se tudo permitir, com um Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) que esteja à altura desses trabalhadores. Não é possível que uma cidade que gastou bilhões de reais com Olimpíadas, deixando uma dívida enorme e ginásios sem utilidade, e que prende, a cada dia, mais pessoas que participaram de licitações malucas, por corrupção, não consiga esse PCCS – analisou Crivella.

Queda no número de óbitos

O prefeito disse que o número de óbitos está diminuindo na cidade. No último dia 11, o Rio registrou 197 falecimentos. No dia 11 de junho de 2019, foram registrados 201. Esses dados mostram que a curva de óbitos diminuiu e que o município está retomando a normalidade.

– Na série histórica de sepultamentos na cidade, em 2019 e antes da pandemia, tivemos cerca de 180 óbitos por dia. Nos trágicos e tristes dias de maio deste ano, chegamos a ter dia com 380 falecimentos. Agora, esses números têm regredido – afirmou Crivella.