Prefeitura embala sonho de jovens de comunidades jogarem no Flamengo

Publicado em 27/04/2021 - 06:38 | Atualizado
Sonho de jogar no Flamengo - Fábio Motta/Prefeitura

Garotada, futebol e um desejo único: virar um Gabigol. Embora o sonho seja distante, agora há um caminho mais claro a ser trilhado: a Subprefeitura da Grande Tijuca, órgão da Prefeitura, e o Flamengo selaram uma parceria inédita. O clube da Gávea vai selecionar, por meio de testes com a bola rolando, crianças e adolescentes de oito comunidades da região: Andaraí, Borel, Casa Branca, Chácara do Céu, Formiga, Morro do Cruz, Salgueiro e Turano.

Os escolhidos vão treinar no Ninho do Urubu, no mesmo centro de treinamento que abriga a equipe de Gabigol e companhia. O projeto tem nome e sobrenome: Campo dos Sonhos. Serão ao todo oito etapas seletivas, uma em cada comunidade.

A primeira acontece nesta quarta-feira (28/04), na Chácara do Céu. Pode participar a garotada, de ambos os sexos, na faixa etária entre 5 e 15 anos, já inscrita no projeto, que tem como padrinho um ídolo rubro-negro: Andrade, campeão brasileiro pelo Flamengo nas funções de atleta e técnico.

 

Muitos meninos e um desejo único: virar um Gabigol – Fábio Motta/Prefeitura do Rio

 

A criançada está ansiosa pela oportunidade.

– Meu sonho é ser jogador de futebol. Vou atrás desse sonho e preciso de pessoas que apoiem isso para me ajudar – diz Pedro Henrique Santiago, de 9 anos.

O coordenador do projeto da Chácara do Céu, Nilo Matos, enxerga a parceria não apenas como uma esperança de um futuro melhor para a garotada. O mais importante, em sua opinião, é formar “bons cidadãos”.  O mesmo pensa o subprefeito da Grande Tijuca, Wagner Coe.

– O objetivo do projeto vai muito além da captação de talentos ou do surgimento de um novo craque. Pretendemos fomentar o esporte, estimular a adesão de jovens aos projetos esportivos desenvolvidos nas comunidades e contribuir na formação de bons cidadãos tijucanos – afirma Wagner Coe.

Os jovens participantes do Campo dos Sonhos recebem formação no esporte, orientação educacional e de cidadania, além de estímulos à autoestima por parte das equipes de coordenadores.

– Temos uma bandeira que pode ajudar muito as comunidades a dar maior visibilidade aos projetos sociais desenvolvidos e a manter essas iniciativas. Há intenção de encontrar e colher um novo talento e também de dar oportunidades de outras formas. Não importa se o atleta vai jogar pelo clube ou por outro, mas ele será exemplo para outros meninos da sua comunidade. Não é só questão de buscar novos craques, temos o objetivo maior de transformar vidas e fomentar sonhos – declara o vice-presidente da base do Ninho do Urubu, Vitor Zanelli.

 

Selecionados vão treinar no Ninho do Urubu – Fábio Motta/Prefeitura do Rio
  • 27 de abril de 2021