Prefeitura do Rio refloresta encosta da Avenida Niemeyer que sofreu deslizamento de terra em 2019

Publicado em 22/05/2020 - 09:14 | Atualizado em 22/05/2020 - 09:14
Encosta da Avenida Niemeyer é reflorestada. Foto: Hudson Pontes/Prefeitura do Rio

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, iniciou o reflorestamento da encosta da Avenida Niemeyer, no trecho que sofreu deslizamento de terra em abril de 2019 devido às fortes chuvas. No total, serão 18.110 mudas de espécies nativas da Mata Atlântica, entre árvores e capim, que vão restaurar a parte afetada. A medida é fundamental para garantir a cobertura florestal na área, além de agir preventivamente para evitar novos deslizamentos.

De acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente, Bernardo Egas, que visitou o local nesta quarta-feira (20/05), a reposição vai aumentar a capacidade de infiltração do solo e diminuir o impacto direto da chuva, que favorece a ocorrência de deslizamentos de terra. – Inicialmente, a Prefeitura fez uma grande obra de contenção em toda a Niemeyer, e agora na área mais prejudicada é reflorestada com mais de 18 mil mudas em 7,5 mil metros quadrados. A implantação será entregue em 2 meses e depois há uma manutenção que ocorre nos próximos dois anos, para também evitar incêndios – explicou o gestor.

Encosta da Avenida Niemeyer é reflorestada. Foto: Hudson Pontes/Prefeitura do Rio

Envolvimento com a comunidade

Toda a mão de obra usada pela Prefeitura é de trabalhadores da comunidade local, o Vidigal. Diariamente, o operário Cléber da Silva Almeida, um dos dez responsáveis pelo replantio, sobe e desce a encosta para garantir a recuperação da área.

– Antes, isso aqui era uma mistura de tronco retorcido com barro. Tudo foi retirado pela Prefeitura e começamos o trabalho de cavar, adubar e, agora, de plantar mudas de aroeira, goiabeira, pitangueira e mamoeiro – contou.

Para ele, a iniciativa favorece não só os moradores da região, mas toda a cidade e a biodiversidade. – É bom para nós e para a natureza, que aos poucos vai voltando a ocupar o seu lugar. Aqui vemos micos, cobras, passarinhos. É muito gratificante olhar e pensar que eu estou ajudando a recuperar isso aqui – destacou o trabalhador.

Responsável pela coordenação da obra, a paisagista Sara Botelho, também moradora do Vidigal, ressaltou a importância do trabalho para a comunidade, já que muitos estavam desempregados.

– Em tempos de pandemia, nossa comunidade saiu fortalecida por conta desse medida, que ajudou as famílias desses operários. Mais pra frente, vamos olhar para a encosta e dizer aos nossos netos e bisnetos que fizemos parte dessa reconstrução. Esse é o legado que queremos deixar – reforçou.

Área da encosta da Avenida Niemeyer em fase de reflorestamento. Foto: Hudson Pontes/Prefeitura do Rio

Como será feito o replantio

Uma das espécies está sendo plantada na encosta é o capim Vetiver, considerado eficiente na contenção por possuir raízes que penetram por mais de cinco metros no solo. A parte superior da encosta, uma área de mil metros quadrados, será coberta com 8 mil mudas desse tipo. Lá, os técnicos construíram uma canaleta com sacos de terra, onde serão plantadas outras 520 mudas de capim. Essa estratégia vai diminuir a velocidade da água das chuvas, desviando a enxurrada e reduzindo a erosão e danos ao solo.

O reflorestamento foi planejado para ser executado em três áreas distintas. Além da parte superior, onde predomina o capim Vetiver, na área intermediária, de cima para baixo, serão plantadas outras 5 mil mudas de árvores de pequeno e grande portes. Para esta área foram escolhidas Aroeira, Jurema, Araçá, Ingá, Cafezinho, Canudo de Pito, Aleluia, Goiabeira, entre outras.

Nos acessos internos formados por duas rampas de 60 metros de comprimento, serão plantadas 3.840 mudas de capim para facilitar o acesso dos trabalhadores na manutenção da área no futuro. Na parte inferior, próxima à pista da Avenida Niemeyer, onde a GeoRio construiu barreiras de concreto, serão plantadas 750 mudas de árvores de grande porte.

Investimentos

O reflorestamento da encosta levará dois anos para ser concluído e o investimento de R$ 360 mil será pago pelo cumprimento de medidas compensatórias – o pagamento de penalidades impostas a empresas que causaram algum dano ao meio ambiente -, sem ônus para a Prefeitura do Rio.

Esta é a última etapa da intervenção da Prefeitura feita pela GeoRio e pela Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação para a estabilização do local. Foram alocados mais de R$ 34 milhões em 56 intervenções ao longo da avenida para o restabelecimento do sistema de drenagem, eliminação de vazamento de esgoto e a instalação de muros de contraforte e cortinas atirantadas.

Segurança na Niemeyer

Depois do grande deslizamento de terras, em abril de 2019, a Prefeitura do Rio por meio da GeoRio e da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação promoveu várias intervenções na Niemeyer. Além das obras de estabilização da encosta, foram demolidas 34 casas em situação de risco e 34 famílias passaram a receber aluguel social. Outras 17 construções ainda serão demolidas.

Ligação entre os bairros de São Conrado e Leblon, na Zona Sul, a Avenida Niemeyer faz parte do eixo que vai da Zona Oeste ao Centro da cidade por onde circulam diariamente 36 mil veículos por dia. As intervenções com obras na via garantem a segurança para o tráfego de veículos, pedestres e moradores.

Desde janeiro a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação criou a Comissão de Monitoramento e Avaliação de Encostas da Avenida Niemeyer com a missão de atuar de forma preventiva. Em caso de chuvas de 38 milímetros em uma hora, com ventos de até 70 km/hora, a via será fechada ao tráfego. Este índice está bem abaixo dos 110 milímetros de chuva por hora e ventos de 130k/hora que a via suporta.