Exposição no Museu Bispo do Rosário mostra força e superação de artistas da rede de saúde mental

Publicado em 12/03/2021 - 13:50 | Atualizado em 12/03/2021 - 14:16
Uma das obras que fazem parte da exposição - Acervo/Museu Bispo do Rosário

A exposição “Arte Ponto Vital”  inaugurada nesta quinta-feira (11/03) no Museu Bispo do Rosário, em Jacarepaguá, percorre a história da Colônia Juliano Moreira, local que funcionava como hospital psiquiátrico antes de virar museu. Os trabalhos relatam a correlação entre a arte, a psiquiatria e o desenvolvimento da luta antimanicomial.

Os artistas Antônio Bragança, Kar, Melania, Stella do Patrocínio e Arthur Bispo do Rosário apresentam por meio de fotos históricas, esculturas, vídeos e aparelhos arcaicos (como os de lobotomia) usados em pacientes da antiga instituição, a importância da arte como retomada da liberdade e narram por meio de diferentes óticas a história da casa. A apresentação é um compilado de obras dos artesãos do Atelier Gaia (espaço de arte, saúde, criação, formação, convivência e liberdade, vinculado ao museu, e integrado por artistas usuários da rede de saúde mental), que apresentam suas perspectivas sobre essa história.

Para a diretora do museu, Raquel Fernandes, a arte tem muitos aspectos que fazem uma ligação com a saúde mental, como possibilidade de subjetividade e que, de alguma maneira, expressa aquilo que não consegue ser colocado em palavras.

– Acho que também a gente está vivendo esse momento da pandemia, enquanto que a questão da arte e da cultura foi o que pode nos manter ligados enquanto seres humanos, para atravessarmos momentos tão difíceis. Quando a gente faz isso na nossa exposição hoje, que é poder de alguma forma fazer com que os nossos artistas, que são portadores de saúde mental, se reconheçam como artistas, a gente também sai desse lugar de doença para poder trabalhar com o que há de positivo nas pessoas, e que amplifica muito mais as possibilidades que a gente já vem desenvolvendo com todas as estratégias de cuidado em saúde mental – afirma a diretora do museu.

A iniciativa tem a finalidade de alcançar o maior número de pessoas, mas por causa da Covid-19 parte da mostra será apresentada de forma híbrida: uma parte física e outra virtual. A abertura de galerias no museu poderá acontecer a partir das 10h, com um grupo de, no máximo, cinco pessoas e agendamento antecipado pelo site da instituição.

História do Museu Bispo do Rosário

O atual espaço chamado Museu Bispo do Rosário foi inaugurado em 1924 com o nome de Colônia Psicopatas-Homens – conceito de hospital que dava assistência psiquiátrica em colônias agrícolas para abrigar pacientes tachados como incuráveis. Em 1935 surge a Colônia Juliano Moreira, que ampliou suas instalações com um novo modelo de assistência – hospital-colônia. Apenas em 1980, com a luta antimanicomial,  que houve a implementação e criação de novas práticas como forma de ressocialização dessas pessoas.

  • 12 de março de 2021