Especialistas formados em programas de residência da Secretaria de Saúde recebem seus diplomas

Publicado em 05/02/2020 - 15:28 | Atualizado
A residência em Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses é inédita na história da Secretaria Municipal de Saúde. Fernanda Ferreira da Silva foi uma das residentes a receber seu diploma. Foto: Mariana Ramos/Prefeitura do Rio

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, participou nesta quarta-feira (05/02) da formatura de 388 especialistas de 17 dos 25 programas de Residência Médica, Multiprofissional e de Medicina Veterinária da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). São profissionais que fizeram o complemento específico de suas formações nas unidades hospitalares, de Atenção Primária, de Saúde Mental e nos serviços de Vigilância Sanitária e de Controle de Zoonoses da Prefeitura. Eles saem capacitados para atuar em suas áreas, seja nas redes pública ou particular.

– Quero parabenizar a todos e pedir a Deus que lhes guiem em cada decisão que tiverem que tomar. Vocês são, talvez, os profissionais que a nossa população mais deposita suas esperanças – afirmou Crivella.

Bruno Povoleri Marano, 27 anos, fez três anos de residência em ortopedia no Hospital Miguel Couto.

– Estou muito feliz. O Miguel Couto é referência mundial na minha área. Começo minha carreira solo, como a gente brinca, com uma formação de excelência – comemorou.

Bruno Povoleri Marano exibe seu diploma. Ele fez residência em ortopedia no Hospital Miguel Couto. Foto: Mariana Ramos/Prefeitura do Rio

A residência em Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses é inédita na história da Secretaria Municipal de Saúde.

– Ser uma das integrantes dessa primeira turma me enche de orgulho. Uma melhor formação nesse setor mostra a importância da nossa profissão no dia a dia da sociedade. Somos mais que cuidadores de cães e gatos. Somos imprescindíveis no controle da qualidade da água, por exemplo; na prevenção de zoonoses e outras demandas da saúde pública – exaltou Fernanda Ferreira da Silva, de 31 anos.

O subsecretário de Saúde, Jorge Darze, agradeceu aos profissionais pela escolha da rede pública para o complemento de suas formações.

– A residência médica, que garante um atendimento de melhor qualidade à população, com profissionais mais capacitados e especializados, é um patrimônio da saúde – disse Darze.

Ricardo Farias, diretor do Cremerj, também elogiou os programas de residência da Prefeitura.

– Em 2024, metade dos médicos em atividade terá até 40 anos, ou seja, inexperiente. Se não tivermos formações complementares corretas e de confiança, como as da Secretaria Municipal de Saúde, a situação pode se complicar – comentou.

 As especialidades

Estão se formando 287 médicos especialistas em anestesiologia(22), cirurgia geral (29), cirurgia plástica (4), cirurgia vascular (2),clínica médica (20), coloproctologia (2), neurocirurgia (3), ginecologia e obstetrícia (18), oftalmologia (4), ortopedia e traumatologia (24), pediatria(22), psiquiatria (14), urologia (6) cirurgia geral-trauma (2), cirurgia videolaparoscópica (1), cirurgia endovascular e angiorradiologia (2),neonatalogia (1), psiquiatria da infância e da adolescência (1) e medicina de família e comunidade (110).

Entre os enfermeiros, os formandos são das especialidades de enfermagem clínica e cirurgia geral (7), enfermagem em saúde da família (51),enfermagem obstétrica (10) e enfermagem em saúde mental (3). Entre os médicos veterinários, são 10 da primeira turma do Programa de Residência em Medicina Veterinária da SMS. A cerimônia também reuniu psicólogos (5), assistentes sociais (3), terapeutas ocupacionais (5) e farmacêuticos especialistas em Farmácia Hospitalar (7).

A cerimônia de formatura na Cidade da Artes. Foto: Mariana Ramos/Prefeitura do Rio

 Como é feita a formação dos profissionais?

A Secretaria Municipal de Saúde oferece 23 programas de residência em parceria com importantes universidades públicas — como UFRJ, Uerj e UniRio — e outros dois programas próprios, nos quais ingressam por ano 650 novos alunos residentes. São cursos de dois ou três anos. A formação é feita em conjunto por professores das instituições de ensino e por tutores e preceptores dos hospitais e de outras unidades municipais e seus centros de estudos.

Toda a parte prática da formação é feita, conforme a especialização escolhida, em unidades municipais da Atenção Primária, de Saúde Mental, da Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses e nos hospitais Souza Aguiar, Salgado Filho, Lourenço Jorge, Miguel Couto, Francisco da Silva Telles, Piedade, Jesus, maternidades Alexander Fleming e Fernando Magalhães, institutos Philippe Pinel e Nise da Silveira.

Além dos programas de residência profissional, em que profissionais já formados fazem sua especialização em uma área escolhida, a SMS recebe por ano 15 mil estudantes para estágio obrigatório e mil para estágio não obrigatório. Como integrante do Sistema Único de Saúde (SUS) e alinhada com seus princípios e diretrizes, a SMS está ciente de seu importante papel na formação de recursos humanos para a saúde no país.

No dia 2 de março, começarão as novas turmas de residência em cirurgia bucomaxilofacial, em enfermagem em Saúde da Família e em Medicina de Emergência.