Em nova ação neste domingo (05/07), Prefeitura encerra rave em Campo Grande

Publicado em 05/07/2020 - 19:13 | Atualizado
É o segundo evento interrompido pela Seop neste domingo e o sexto em duas semanas. Festa reunia cerca de cem pessoas em whiskeria. Crédito: Divulgação/Seop

Após impedir a realização de show em Campo Grande na manhã deste domingo (05/07), a Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), encerrou, no início da noite, uma festa rave não autorizada realizada também no bairro da Zona Oeste. O evento estava acontecendo em whiskeria localizada no número 2.309 da Estrada do Campinho e já reunia cerca de cem pessoas em seu interior quando os agentes da Subsecretaria de Operações da Seop e da Guarda Municipal chegaram ao local, que foi fechado e o público dispersado. O proprietário do imóvel foi qualificado e notificado. A equipe foi chamada por denúncia anônima ao canal 1746, da Prefeitura.

Histórico – Com este, já são seis os eventos irregulares interrompidos (vide histórico abaixo) em 15 dias pelas equipes da Seop. Na manhã de hoje, os agentes impediram a festa “Samba na Feira”, que aconteceria, a partir de meio-dia em casa de eventos, na Estrada Rio do A. No último domingo (28/06), a força-tarefa evitou a realização da festa “No sigilo, a resenha”, no palco de um salão nos fundos de uma casa em Ricardo de Albuquerque, na Zona Norte, localizada na Rua Apa, com apresentação de DJs e churrasco. Já na noite do dia 25, equipes do Disk Aglomeração impediram um evento em Campo Grande, na Zona Oeste: o “Forró de Quinta”, organizado em bar na Rua Filismino de Moura, com direito a estrutura de áudio profissional e área gradeada. No domingo, dia 21/06, uma festa de rua no bairro Colégio, na Zona Norte, também foi frustrada pelos agentes, e no sábado (dia 20/06), evitou-se um show (pago) de DJs em sítio particular em Guaratiba, na Zona Oeste.

Números gerais – As equipes do Disk Aglomeração, frente de fiscalização coordenada pela Secretaria Municipal de Ordem Pública, atenderam 10.689 ocorrências desde 31 de março, quando o serviço entrou em operação. Os dez bairros mais demandados são: Campo Grande, Realengo, Bangu, Santa Cruz, Barra da Tijuca, Taquara, Tijuca, Centro, Copacabana e Recreio dos Bandeirantes. Além disso, em quase quatro meses, de 18 de março a 4 de julho, somente as forças-tarefas integradas pela Seop registraram 35.429 estabelecimentos fiscalizados, com 25.953 pontos comerciais fechados em 329 operações em toda a cidade.