Com expansão do COR, Rio avança no conceito de cidades inteligentes

Publicado em 22/06/2021 - 16:54 | Atualizado
Maior centro de monitoramento urbano da América Latina terá mais 1.400 metros quadrados - Divulgação/Prefeitura

A Prefeitura do Rio dará início, neste segundo semestre, ao projeto de expansão e modernização do Centro de Operações Rio (COR), o maior centro de monitoramento urbano da América Latina. A ampliação do órgão, localizado na Cidade Nova, região central da cidade, será de 1.400 metros quadrados – o que representa um aumento de cerca de 50% em relação à área total construída atualmente. O projeto é um dos resultados da Parceria Público-Privada (PPP) de iluminação pública do Rio – o programa Luz Maravilha, por meio da Rioluz e da Secretaria Municipal de Infraestrutura, que permitirá o acesso a 10 mil novas câmeras, cinco mil pontos de wi-fi e cerca de nove mil sensores georreferenciados, entre outros ganhos para o município.

Com a expansão, após 10 anos de inauguração, o COR contará com mais tecnologia de ponta, com recursos humanos e tecnológicos capazes de desenvolver soluções de Internet das Coisas (Internet of Things – IoT) e cidade inteligente (Smart City). Todo o projeto será custeado 100% pela PPP, com previsão de conclusão até março de 2022, incluindo as etapas das obras, da compra, instalação e configuração de novos equipamentos, testes de usabilidade e ajustes finos.

– Estamos elevando o COR a um novo patamar de serviços tecnológicos, retomando o protagonismo do Rio entre as cidades mais inteligentes do país. Das 10 mil câmeras, cerca de 40% terão tecnologia de reconhecimento facial. A conectividade do nosso município e das pessoas vai contar com cinco mil pontos gratuitos de wi-fi. Esses pontos vão trabalhar com sensores IoT capazes de gerar dados que serão tratados por uma equipe técnica para transformá-los em serviço para o cidadão. Nossa meta é utilizar toda essa tecnologia para tornar a operação cada vez mais preditiva e menos reativa, antevendo situações de crise e melhorando a pronta resposta a ocorrências – explica Bruno Ramos, chefe executivo do COR.

Ele é responsável por coordenar toda essa transformação ao lado da secretária municipal de Infraestrutura, Kátia Souza.

– O Rio de Janeiro será uma cidade inteligente com a chegada da tecnologia do Luz Maravilha. O monitoramento ocorrerá nesta expansão. Temos feito reuniões periódicas e a Infraestrutura está à frente de todos os detalhes da obra. O projeto do novo prédio terá a Certificação LEDD e contará com a reutilização da água e eficiência energética – revela Kátia Souza.

O presidente da Rioluz, Bruno Bonetti, conta como funcionará o novo equipamento.

– O Luz Maravilha vai permitir que o Rio alcance indicadores de conectividade em áreas públicas. Também serão implantadas outras tecnologias como quatro mil sensores de resíduos sólidos em bueiros e seis mil sensores de sinais de trânsito, que vão melhorar o fluxo do tráfego.

Além da ampliação da sala para abrigar o novo Centro de Controle Operacional (CCO) do Luz Maravilha, a expansão contará com três novos pavimentos, que serão erguidos ao lado do prédio atual, ocupando parte da área onde hoje funciona o estacionamento. É prevista ainda a construção de refeitório e vestiários aos fundos.

 

Haverá investimentos em tecnologia de ponta – Divulgação/Prefeitura

 

DETALHES DA EXPANSÃO

Sala de Controle: novo telão de 14 metros quadrados e mais seis bancadas
A Sala de Controle do COR, que integra representantes de diversos órgãos da prefeitura e parceiros em um único ambiente, no andar térreo, será ampliada em cerca de 30%. Serão mais seis bancadas operacionais, com 24 posições de trabalho, e 20 monitores, formando um novo telão de 14 metros quadrados, a ser instalado ao lado do atual, que conta com 100 monitores e 65 metros quadrados. Haverá ainda mais um monitor de LED de 75 polegadas acima do videowall – atualmente são quatro telas do tipo nesta posição.

Datacenter – Já o primeiro andar do novo prédio vai abrigar amplo Datacenter, capaz de processar um alto volume de dados, como quantidade de chuva, fotos e vídeos de ocorrências, e informações capturadas pelos novos sensores georreferenciados. No mesmo equipamento, serão processados os streamings das novas câmeras, todas conectadas por fibra ótica, e não mais via rádio. Parte da equipe de Tecnologia da Informação trabalhará nesta área, supervisionando a estrutura responsável por recursos como a conectividade dos pontos de wi-fi e os sensores de IoT.

COR.Lab: vanguarda em projetos e novas tecnologias em parceria com universidades
Outra novidade da expansão será o COR.Lab, o laboratório de inovação do COR. A iniciativa, em conjunto com diversos parceiros – como instituições acadêmicas, setor privado e outras organizações que integram o ecossistema de inovação do COR -, vai fomentar o desenvolvimento de pesquisas e novas soluções voltadas a aumentar a performance do COR na integração das operações urbanas, além de contribuir para a construção de uma cidade mais inteligente e resiliente.

P&D e Resiliência – O COR.Lab funcionará no segundo e último andar, onde ficarão o setor de Pesquisa e Desenvolvimento do COR e o escritório de Resiliência, que volta a ocupar posição de destaque no Rio. Na sala de P&D, serão pensados projetos de Smart City, planejados e executados com diferentes equipes da prefeitura, da PPP e de parceiros. Os investimentos trazidos pela PPP devem ser traduzidos em serviços, afirma o chefe executivo do COR.
“Esses recursos mantêm o COR como equipamento moderno, supertecnológico e inteligente. Foi assim quando ele foi inaugurado e será assim que vamos manter. É a tecnologia melhorando a rotina dos cidadãos”, ressalta Bruno Ramos.

Desafio COR – A expansão ainda deve permitir investimentos em novas edições do Desafio COR: ação capitaneada pelo COR em que startups são desafiadas a criar soluções para melhorar a resiliência da cidade frente a problemas como poluição atmosférica, inundações, mobilidade, deslizamentos, etc. Os recursos da PPP poderão impulsionar o início das operações das startups vencedoras do Desafio (que já teve duas edições), acelerando a aplicação das ideias vencedoras no município.

Certificação LEED – O Projeto do novo prédio quer garantir a Certificação LEED – (Leadership in Energy and Environmental Design). Trata-se de uma ferramenta de Certificação que busca incentivar e acelerar a adoção de práticas de construção sustentável. Este sistema de avaliação promove uma abordagem ao edifício por inteiro, desde a concepção do projeto até a construção final e a manutenção do mesmo. A certificação LEED proporciona melhorias para a sociedade e meio ambiente. Para isso, o CCO contará com reutilização de água e instalação de células fotovoltaicas para melhor eficiência energética.

  • 22 de junho de 2021