Carnaval 2020: depois do Centro e de Madureira, Vigilância Sanitária intensifica prévias em pontos de folia da Zona Sul

Publicado em 10/02/2020 - 20:05 | Atualizado em 11/02/2020 - 12:24
Megaoperação de carnaval da Vigilância no Humaitá. Foto: Nelson Duarte | Divulgação

A Operação Carnaval da Subsecretaria de Vigilância Sanitária do Rio chegou nesta segunda-feira, dia 10, à Zona Sul, área da cidade que, nesta época do ano, recebe milhares de foliões por conta dos blocos carnavalescos. Divididos em equipes e com foco na prevenção de riscos à população, 30 técnicos realizaram 152 vistorias em comércios de alimentos e de saúde de 15 ruas do Humaitá, identificando diversas irregularidades, como falta de higiene e o uso de canudos plásticos, proibido no município desde julho de 2018 por medida inédita no Brasil do prefeito Marcelo Crivella, a chamada Lei do Canudo. Na megaoperação que segue até sexta,15, promovendo também muita orientação, os fiscais emitiram 74 infrações e 42 termos de intimação com exigências a serem cumpridas, e flagraram em funcionamento um restaurante já interditado que voltou a ter as portas fechadas.

 

– Esta é mais uma etapa da prévia de carnaval onde inspecionamos estabelecimentos de alimentos, saúde e atividades relacionadas, adotando as sanções previstas para as irregularidades.  Das 74 infrações, 49 foram por falta de licença sanitária, documento que desde o ano passado, com a implantação do Código Sanitário do Município, tem que estar exposto na parede, em local visível a todos. A licença é uma segurança para o consumidor, que com ela pode conferir se o estabelecimento está licenciado por nós. E não podemos abrir mão disso – alerta Márcia Rolim, subsecretária de Vigilância Sanitária do Rio.

 

Além da Zona Sul, a ação especial iniciada em 8 de janeiro percorreu ruas do Centro, Lapa, Santa Teresa e Madureira, com os fiscais de olho nas condições higiênico-sanitárias. Eles conferem itens como a procedência, validade, armazenamento e manipulação dos alimentos; o gerenciamento de resíduos e os sistemas de água e climatização; os serviços de saúde; e até as condições oferecidas pelos estabelecimentos aos funcionários e clientes. Incluindo os números desta segunda-feira, a Operação Carnaval da Vigilância registrou 757 inspeções que resultaram em 213 termos de intimação, 287 infrações, 18 interdições (quatro delas totais) e 22 coletas de amostras de alimentos, com o descarte de 98 quilos de produtos impróprios ao consumo e de três frascos de soro fisiológico vencidos. Nas interações educativas, os técnicos distribuíram mais de 1.600 folhetos contendo informações como os cuidados com a limpeza de reservatórios de água.

 

– Esta é mais uma etapa da prévia de carnaval onde inspecionamos estabelecimentos de alimentos, saúde e atividades relacionadas e adotamos as sanções previstas para as irregularidades.Na área de alimento, por exemplo, identificamos produtos impróprios ao consumo e sem procedência, com conservação inadequada e rotulagem incompleta. Encontramos também falta de higiene em restaurantes e outros pontos, e ainda o uso de canudos plásticos e o descumprimento de interdição. Precisamos prevenir riscos,e essas ações são fundamentais para avançarmos com a nossa atuação – destacou a médica-veterinária Marissol Figueiredo, coordenadora de Eventos da Superintendência de Educação da Vigilância Sanitária.

 

Na Zona Sul – Organizado pela Coordenação de Fiscalização Sanitária, o planejamento operacional reúne técnicos das coordenações de Alimentos, de Saúde e de Engenharia; do Laboratório Municipal de Saúde Pública (Las)); e do Núcleo de Inspeção e Fiscalização dos Ambientes de Trabalho (Nifat). Na Zona Sul, a operação é realizada por 30 fiscais que diariamente se concentrarão em na tenda montada em um ponto do bairro a ser fiscalizado e a receber as ações educativas, como a distribuição de panfletos e as orientações levadas diretamente a donos e funcionários dos comércios.

 

– Todos eles precisam passar pela capacitação em boas práticas de higiene, em cursos que variam de acordo com o segmento. Mas todos eles são certificados pela Vigilância, que exige o comprovante nas inspeções – ressalta Marissol Figueiredo.

 

A megaoperação realizada nesta segunda, dia 10, no Humaitá, inspecionou estabelecimentos em 15 ruas da saída do Túnel Rebouças ao Largo dos Leões. São elas as ruas Visconde Silva, Humaitá,Conde de Irajá, Pinheiro Guimarães, Conde de Irajá, Voluntários da Pátria, Capitão Salomão, General Dionísio, Visconde de Caravelas, Viúva Lacerda, Marquês, Miguel Pereira, Vitório da Costa, Maria Eugênia e Fonte da Saudade.

 

Dono de um bar na Rua Visconde de Caravelas, Roberto Albuquerque elogiou a ação da Vigilância.

 

– Essa ação é muito importante, pois força os estabelecimentos a estarem em dia com suas obrigações, contribuindo para a prevenção de riscos à saúde de todos. E mais: ela traz critérios justos para os, como eu, administram os seus negócios de acordo com a lei – diz o comerciante.

 

Megaoperação de carnaval da Vigilância no Humaitá. Foto: Nelson Duarte | Divulgação