SMASDH realiza 3º Conferência Municipal de Direitos Humanos

Publicado em 11/12/2019 - 19:48 | Atualizado em 11/12/2019 - 20:07

A Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH) realizou hoje a 3º Conferência Municipal de Direitos Humanos na OAB/RJ, com a finalidade de reunir os profissionais de assistência social para discutir, juntamente com representantes da sociedade civil, políticas públicas para melhoria da qualidade de vida dos cidadãos cariocas.

O evento se tornou ainda mais relevante na data de hoje, pois é dia que se comemora o Dia Internacional dos Direitos Humanos. No dia 10 de dezembro de 1948, foi realizada a Declaração dos Direitos Humanos e hoje é o documento mais traduzido no mundo, que inspirou a elaboração de constituições de muitos estados de democracias recentes.

Estiveram presentes ao evento, o secretário de Assistência Social e Direitos Humanos, João Mendes de Jesus, a subsecretária de Direitos Humanos, Quésia Betânia, o presidente da Comissão dos Direitos Humanos, Álvaro Quintão.

Pessoas de todas as idade tiveram hoje o acesso de forma facilitada às políticas públicas do município, além de participar de maneira dinâmica da discussão de novas proposições para o Plano Municipal de Direitos Humanos.

“Realizar a terceira Conferência Municipal de Direitos Humanos é um ato de responsabilidade desta Pasta e também respeito com todos os humanos, além de primar pela garantia dos direitos. Nós temos consciência plena que a nossa Pasta tem o dever de garantir direitos a todos os cariocas e todos aqueles que moram no Rio de Janeiro” – afirma João Mendes de Jesus.

A Conferência terá encerramento amanhã, dia 11. Quem tiver interesse de participar na construção do Plano Municipal de Direitos Humanos pode comparecer no horário de 9h às 13h.

Quésia Betânia agradeceu a presença de todos, em especial sua equipe pelo empenho na realização do evento. “A discussão sobre direitos humanos é de muita importância para diminuir as diferenças sociais, preconceitos e tornar a sociedade mais justa e cidadã” – conclui a subsecretária de Direitos Humanos.