SMASDH lança campanha contra o assédio sexual no carnaval

Publicado em 27/02/2019 - 15:13 | Atualizado em 27/02/2019 - 22:22

SMASDH lança campanha contra o assédio sexual no Carnaval
O Carnaval deste ano será o primeiro em que a importunação sexual é crime.
Com o propósito de prevenir e também estimular que as vítimas de assédio sexual e violência contra mulher façam denúncias, a Subsecretaria de Política para a Mulher (SUBPM), por intermédio da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH), criou a campanha “FOLIA SIM, IMPORTUNAÇÂO SEXUAL NÃO”.
Para isto, foram produzidos cartazes, ventarolas, banners, entre outros materiais que serão distribuídos por técnicos da SMASDH em locais de grande concentração de pessoas, como blocos, Sapucaí e transportes públicos. Além disso, a MultiRio produziu um material audiovisual com leveza, conteúdo crítico e de conscientização, através da “Marcha das Minas”.

A música chama atenção para o assédio nos dias de folia.
A marchinha é uma colaboração aos esforços do Conselho dos Direitos da Mulher da Cidade do Rio de Janeiro (CODIM-Rio) e da SUBPM que integra todas as ações de conscientização dos foliões. “Sim é sim, não é não, Aceita logo a minha decisão!” Com este refrão, a Marcha das minas pretende mostrar ao público que é possível brincar o Carnaval com alegria, sem abusos e com respeito às mulheres.

A campanha foi lançada hoje, durante o Trem da Prevenção, tradicional ação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), este ano em parceria com a Supervia, que visa alertar e conscientizar sobre as infecções sexualmente transmissíveis (IST), entre outras questões, onde a SUBPM fez atividades também sobre o assédio sexual e distribuiu o material da campanha contra o assédio e violência doméstica. A movimentação aconteceu na Estação no Engenho Novo e no entorno.

 

Vale ressaltar que os técnicos da SMASDH estão preparados para orientar o público em período carnavalesco para que se houver alguma vítima, que procure os órgãos competentes, como a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM) e o Centro Especializado de Atendimento à Mulher (CEAM) Chiquinha Gonzaga, que oferece acompanhamento psicológico e orientação jurídica às mulheres em situação de violência doméstica e familiar, sendo que informações às mulheres constarão também no material impresso da campanha.