Assistência Social e Instituto Erico firmam parceria para qualificar jovens

Publicado em 25/03/2019 - 17:44 | Atualizado em 28/03/2019 - 11:23

A Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH) acaba de firmar parceria com o Instituto Erico para atender os jovens em situação de vulnerabilidade social e assistidos pela Secretaria.

O Instituto realiza um trabalho voltado para o reconhecimento de identidade e valorização de talentos de jovens, além de ativar a inteligência comportamental e as competências emocionais para torná-los adultos equilibrados e cidadãos produtivos.

O secretário de Assistência Social e Direitos Humanos, João Mendes de Jesus, esteve no coquetel de lançamento do acordo, realizado na última quinta-feira (21), no Centro de Artes Calouste, na Praça Onze, região central do Rio de Janeiro.

“Hoje estamos celebrando uma importante parceria que se estabelece entre o setor público e privado, visando despertar, na juventude, esperança, perseverança e o desejo de buscar novos horizontes. Sabemos que este tipo de iniciativa vem ao logo dos anos contribuindo de maneira significativa para o aprimoramento da qualidade e eficiência dos serviços prestados à população, sobretudo à população mais vulnerável, que muitas vezes é privada de seus direitos enquanto cidadãos. São em sua maioria jovens negros e pobres, que abandonam precocemente a escola, não acessam atividades culturais, de esporte ou lazer, e que historicamente se deparam com a dificuldade de alcançar as oportunidades de qualificação profissional e de inclusão no mercado de trabalho”, afirmou o secretário.

O primeiro curso terá duração de doze semanais. Dar destino a jovens carentes, despertando seus sonhos por meio de ferramentas de treinamento, pnl, neurociência, psicologia positiva, entre outras técnicas para jovens de 14 a 22 anos de idade.

A SMASDH e o Instituto Erico iniciaram o primeiro curso para a juventude assistida pela Secretaria. As aulas acontecem no Centro de Artes Calouste e reúnem jovens de dez abrigos da SMASDH.

Após o término do curso, os alunos terão 30 dias para desenvolver alguma atividade que tenha impacto junto aos jovens da comunidade em que estão inseridos. Todos os dez grupos terão dois orientadores envolvidos dando suporte para a construção de algo.

  • 25 de março de 2019