SMASDH atende população em situação de rua, com determinação e dedicação

Publicado em 01/04/2019 - 13:22 | Atualizado

SMASDH atende população de rua, com determinação e dedicação

Em resposta a matéria veiculada no Jornal O DIA em 01/04/2019, a respeito do não atendimento a população em situação de rua na gestão do Prefeito Marcelo Crivella:

1. Apenas no último semestre de 2018 o número de atendimentos realizados diretamente nas ruas da cidade através do serviço de abordagem realizada a população em situação de rua foi de 71.312 atendimentos, o que demonstra uma média mensal de aproximadamente 11.850 atendimentos, direto nas ruas da cidade.

2. Na Avenida Brasil, onde a SMASDH instalou 02 (dois) equipamentos exclusivos para o atendimento e acolhimento da população usuária de crack, o número de atendimentos realizados no ano de 2018 pelo Centro POP José Saramago foi de 6.260 e no Hotel Profeta Gentileza de 256 acolhimentos no mesmo período.

3. Na Zona Sul da cidade, diariamente as equipes se deslocam por todos os bairros realizando busca ativa de pessoas em situação de rua que, mesmo negando num primeiro momento a ir para um abrigo, são levando pela própria equipe a hospitais de emergência e UPAs, sempre que convencidas de que sua condição de saúde apresenta risco imediato a suas vidas. No ano de 2018 foram realizados 19.874 atendimentos apenas na zona sul da cidade
4. No Centro da cidade não é diferente. As equipes deslocam-se diariamente para o atendimento in loco, seja durante o dia ou durante a noite, incluindo os finais de semana. Possui ainda 02 (dois) equipamentos públicos da SMASDH focados no atendimento a esta população na região. O Centro POP Bárbara Calazans e o Hotel Solidário da Central do Brasil (ambos instalados em 2017, pela gestão do Prefeito Marcelo Crivella), exclusivos para atendimento ao público. Em dezembro de 2018, mais um Hotel foi reinaugurado após reformas expressivas, o Hotel Santa Comba. Este último voltado exclusivamente para população vinda dos abrigos, recém absorvidas por vagas de emprego geradas pelo Decreto de Vaga Social, também da gestão deste Prefeito. No ano de 2018 foram realizados uma média mensal de 6.000 atendimentos apenas na região central da cidade.

5. Aliás, em 2018, esta Prefeitura aderiu finalmente ao determinado desde 2009 pela Política Nacional de Atendimento a População em Situação de Rua, através do Decreto 44857/2018, que institui a Política Municipal para Atendimento a População de Rua e institui ainda o Comitê Gestor Intersetorial de Acompanhamento da Política Municipal de Atendimento a População em Situação de Rua. Algo que nenhuma gestão anterior a esta tirou do papel.
6. Ao contrario do que muitos ousam dizer, o serviço de abordagem a população em situação de rua, além de previsto e preconizado pela Política Nacional de Assistência Social e legislações diversas, não atua com acolhimento compulsório ou qualquer forma de violação dos direitos da população em situação de rua. Seu modus operandi é público e pode ser conhecido através da Resolução 64/2016.

7. A cidade do Rio de Janeiro possui, apenas de abrigos públicos, 32 unidades de acolhimento. A maior rede pública de abrigos do Estado. Há muito a melhorar, sobretudo em sua estrutura, mas não duvidamos, em nada, do compromisso e do respeito com que este trabalho é executado por cada profissional ali lotado.