Projeto Inserir chega à segunda edição com exposição no Centro de Arte Hélio Oiticica

Publicado em 11/05/2022 - 16:13 | Atualizado em 11/05/2022 - 16:24
Diego aponta para sua foto na exposição no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica - Divulgação

A segunda edição do projeto Inserir, com trabalhos fotográficos de 35 acolhidos em abrigos da Prefeitura do Rio, foi aberta na manhã desta quarta-feira (11/5), no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica. Realizada pela Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS), a exposição reúne trabalhos realizados em oficinas fotográficas itinerantes, com cenas do espaço urbano carioca, numa maneira inovadora de geração de renda para essas pessoas que viviam em situação de rua e hoje estão em processo de reinserção social.

 

– É com enorme carinho que agradeço o trabalho de todos os profissionais da Assistência Social, verdadeiros anjos que nos tiraram do papelão. A cultura liberta, meu trabalho hoje é trazer meus irmãos de rua para esse projeto. Graças a ele, me reinseri socialmente e ajudo minha mãe a se tratar no CAPS (Centro de Atenção Psicossocial, da Secretaria Municipal de Saúde) – afirmou Diego Augusto Souza dos Santos, de 31 anos, autor da foto com o garoto prestes a mergulhar nas águas da Baía de Guanabara, diante do Museu do Amanhã.

 

Diego ficou em situação de vulnerabilidade na rua por um ano, o mesmo período acolhido no Albergue Martin Luther King Jr. O fotógrafo amador é hoje vendedor da revista Traços RJ, publicação cultural e informativa que, por meio de parceria da SMAS com outros órgãos, é vendida de forma ambulante pela população vulnerável, como forma de adquirir autonomia social e financeira.

 

– Conseguiu emprego e voltou a morar com a família depois de participar da oficina – contou Rosana de Souza e Silva, diretora do Albergue Martin Luther King Jr.

 

Os fotógrafos profissionais Claudia Poggio, Fernando Maia e Marcos Custodio dirigiram as oficinas e suas fotos foram projetadas digitalmente na exposição. As dos acolhidos foram impressas em papel e estarão à venda durante a exposição, que vai até 11 de junho. Depois, poderão ser adquiridas pelo e-mail exposicaoinserir@gmail.com.

 

– Esse projeto possibilita qualificação e empregabilidade a partir da retomada da autoestima – definiu a secretária municipal de Assistência Social, Maria Pucú.

 

As cenas do universo urbano que os amadores captaram durante o andar nas ruas em perambulações fotográficas encontram correspondência com o que o artista plástico Hélio Oiticica propõe como “poetizar o urbano”, em que as ruas “são o pé calçado pronto para o delirium ambulatorium renovado a cada dia”, atestou o curador do Projeto Hélio Oiticica, César Oiticica Filho, atual diretor artístico do Centro Municipal de Arte.

Em breve o projeto Inserir ganhará a parceria do projeto Yoga de Rua, que há sete anos leva a prática de ioga para pessoas em situação de rua, em reuniões que também contam com leituras, conversas e lanches, em locais como Aterro do Flamengo e Praça Paris, na Glória.

 

– A ioga é uma prática coletiva que proporciona conhecer o estado natural da nossa mente. Ela nos permite caminhar com nossos próprios pés – explicou o instrutor André Pereira, que conduziu uma sessão da prática para os presentes à abertura da exposição.

 

A primeira edição do projeto Inserir foi lançada em fevereiro deste ano, com 26 acolhidos. As oficinas fotográficas itinerantes e exposições periódicas continuarão sendo realizadas, gerando renda para pessoas que estão saindo da situação de rua. Outros fotógrafos profissionais que quiserem participar podem se inscrever na plataforma prefeitura.rio/voluntario. Nesse momento, são necessárias novas câmeras para a expansão do projeto. As duas edições foram feitas com apenas três câmeras.

A Assistência Social contou com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura, que cedeu os espaços para a realização das duas exposições.