Prefeitura do Rio cria a Coordenadoria da Infância e Adolescência

Publicado em 03/08/2020 - 18:21 | Atualizado em 04/08/2020 - 09:45
Centro Administrativo São Sebastião, sede da Prefeitura. Foto: Divulgação / Prefeitura do RioCentro Administrativo São Sebastião, sede da Prefeitura -Divulgação/Prefeitura do Rio

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH), publicou na última sexta-feira (31/07) o decreto municipal nº 47739, que dispõe sobre a criação da Coordenadoria de Infância e Adolescência.

As atribuições da nova coordenadoria são, dentre outras, articular políticas públicas voltadas para crianças e adolescentes, coordenar a captação de recursos para a área, promover a integração das ações desenvolvidas no órgão sobre a Infância e a Adolescência com órgãos externos, construir estratégias para melhor assistência dos beneficiados, além da representação da pasta em conselhos de direitos e outros relativos ao tema.

Em 13/07, durante uma live em comemoração aos 30 anos do ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente, a secretária Tia Ju discorreu sobre a importância da criação do novo órgão.

“Precisamos ofertar cidadania e proteção aos nossos jovens, além de desenvolvimento físico, mental, social e moral. Ter mais um equipamento no executivo voltado exclusivamente para as crianças e adolescentes é um grande passo para que seus direitos sejam garantidos”, afirmou Tia Ju.

Além da criação da Coordenadoria, a secretária também garantiu que a contratação de novos profissionais especializados está em andamento, para a montagem de uma equipe própria para as criança e adolescentes. De acordo com Tia Ju, uma capacitação será feita também com os profissionais que atuam nas abordagens à pessoas em situação de rua.

Conforme descrito no decreto, também está prevista a formação de um Centro POP dedicado inteiramente às crianças e adolescentes, e a implementação das Repúblicas da Juventude na cidade. Segundo a secretária, novas metodologias serão pensadas junto aos serviços de convivência, e haverá fortalecimento de vínculos em serviços já oferecidos pela SMASDH, através dos CRAS (Centros de Referência da Assistência Social). Assim, os programas que já são oferecidos serão adequados ao momento atual.

“Precisamos nos adequar a uma nova realidade nesse período de pandemia e pensar também no pós-pandemia. Assim, podemos garantir que os serviços ofertados hoje pela Secretaria continuem sendo executados com excelência, em prol desse público que necessita tanto do nosso cuidado”, finaliza a secretária.