Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro

 

O que é a Hanseníase

É uma doença infecciosa e contagiosa causada por uma bactéria (bacilo) chamada Mycobacterium leprae. O Brasil é o segundo país do mundo com maior número de casos de hanseníase. Na cidade do Rio de Janeiro, ocorrem em torno de 300 casos da doença a cada ano. A hanseníase afeta a pele e os nervos periféricos e se não for diagnosticada e tratada, pode levar a severas deformidades físicas.

 

Transmissão

A pessoa doente, que não esteja fazendo tratamento, pode transmitir a hanseníase pelo ar (boca, nariz e garganta) quando fala e respira em contato rotineiro ou constante e prolongado com outras pessoas que são suscetíveis a adoecer. Portanto não se transmite a doença pelo compartilhamento de objetos como talheres, livros, ferramentas, computadores, roupas de cama ou banho. Também não se adquire a hanseníase só por estar em ambientes públicos como cinemas, shoppings, praças, salas de espera de consultórios ou ônibus, pois é necessário que o contato seja rotineiro e prolongado, como o daquelas pessoas que moram juntas.
 
Sabe-se que 90% da população mundial são naturalmente imunes à doença. Os demais 10% podem adoecer de duas formas clínicas diferentes: a forma paucibaciliar (com poucos bacilos) ou a forma multibacilar (com muitos bacilos). Apenas pessoas com a forma multibacilar são capazes de transmitir a doença.
 
Pessoas de qualquer idade ou classe social podem ter hanseníase. É importante identificar a doença o quanto antes, para evitar eventuais sequelas.

 

Sintomas e diagnóstico

Os sintomas incluem lesões com alteração de sensibilidade na pele. Essas lesões geralmente não incomodam o paciente, pois não há sensibilidade: elas não coçam, não ardem e não doem. O paciente pode apresentar áreas com falhas de pelos no corpo, perda de pêlos das sobrancelhas e nariz frequentemente entupido e sem pelos também. Fisgadas e sensações de choque nos cotovelos e tornozelos podem ser comuns.
 
O diagnóstico é clínico, feito dentro do consultório médico pela avaliação da sensibilidade das lesões de pele e da alteração de nervos periféricos. O médico avalia se o paciente consegue ou não diferenciar entre as sensações de frio e calor, de toque ou de dor nas lesões da pele. Quando ocorre alteração de sensibilidade, a primeira é a térmica, seguida da dolorosa e finalmente da tátil.
 
A doença, se diagnosticada e tratada precocemente, não causa sequelas. Porém, se o paciente demorar a procurar a unidade de saúde, pode evoluir para incapacidades físicas devido às alterações em nervos periféricos, principalmente nos olhos, mãos e pés. Isto se traduz em impossibilidade para fechar os olhos, incapacidade para sentir corpos estranhos no olho, cegueira, deformidades e feridas em mãos e pés e outras alterações. Tudo isso causa um grande impacto na vida social, na capacidade de trabalho e na dependência das pessoas para desenvolver as suas atividades diárias.
 

Tratamento

O tratamento é feito com uso diário de comprimidos, em casa, num período que pode variar de 6 meses a 1 ano e meio, dependendo da forma clínica da doença. Todos os medicamentos são fornecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), sem custo adicional para a população em tratamento. Os contactantes que convivem com a pessoa com hanseníase também devem procurar as unidades de saúde (centros municipais de saúde e clínicas da família) para serem examinadas. Para obter a cura é necessário completar todo o tratamento.
 

A pessoa com hanseníase não precisa de isolamento - pode e deve seguir uma vida normal, realizando suas atividades diárias e mantendo o convívio com sua família e amigos.
 
Os doentes param de transmitir a hanseníase, logo nas primeiras doses do tratamento

 

A hanseníase tem cura! Procure uma unidade básica de saúde



Serviços Serviços