Secretaria diploma novos diretores para triênio 2018-2020

15/01/2018 18:58:00


fotos: Hélio Melo

 

 

Em solenidade marcada pelo anúncio de ações e projetos de valorização de professores, melhorias físicas e avanços na rede municipal de Educação, o secretário César Benjamin diplomou nesta segunda-feira, na presença do prefeito Marcelo Crivella, os novos 1537 diretores eleitos e seus adjuntos que vão conduzir as escolas públicas do Rio no próximo triênio (2018 a 2020). A cerimônia reuniu mais de três mil pessoas no Vivo Rio. A Orquestra Sinfônica Juvenil Carioca fez um pequeno concerto em homenagem aos eleitos. Seus integrantes foram aplaudidos com entusiasmo.

 

Eleitos e reeleitos para os cargos foram escolhidos de forma democrática em processo realizado em novembro do ano passado. Ao falar aos gestores, César Benjamin destacou que eles conquistaram o direito de conduzir as escolas, têm grande responsabilidade pela frente e, portanto, precisam ser valorizados. Já o prefeito expôs à plateia sua admiração e carinho pelos professores.

 

Crivella, assim como César um ex-aluno de escola pública, lembrou das dificuldades atravessadas pela prefeitura em 2017, mas adiantou que está trabalhando o máximo que pode para nada faltar às escolas "As perspectivas não são sombrias", afirmou ele, prometendo dar "César o que é de César".

 

Das conquistas anunciadas pelo secretário de Educação, três foram motivos de longos aplausos: o projeto de lei recém-aprovado que estabeleceu funções de magistérios, inclusive para fins de aposentadoria, para os cargos de direção, coordenação e assessoramento pedagógico. Outro projeto normatizou as atribuições de professores que têm segunda matrícula e integra equipe gestora.

 

A terceira boa notícia foi a previsão de adoção, ainda no primeiro semestre, da complementação salarial para gestores com matrículas de menos de 40 horas. "O compromisso é fazer isso, assim que a situação fiscal e financeira do município permitir", afirmou. O secretário mencionou ainda nova meta de apoio às novas direções: o fortalecimento das equipes gestoras de escolas de grande porte (com mais de 500 alunos). 

 

Ao falar sobre avanços na área pedagógica, o secretário mencionou não apenas a mudança de estratégia para combater o analfabetismo, como também o salto na formação dos educadores por meio da Escola de Formação de Professores Paulo Freire. Os projetos incluem convênios com universidades dos Estados Unidos e Inglaterra e também a criação de plataforma de incentivo à pesquisa na rede. "Quero que a rede seja produtora de conhecimento", destacou.

 

Também foi informado aos diretores que 30 mil kits de material escolar já estão sendo liberados por dia para as escolas e que os uniformes novos começam a chegar no mês de março. Ao falar sobre os desafios à frente, César Benjamin citou o de zerar o analfabetismo funcional com o apoio do time de 2500 alfabetizadores que entra em campo no início do ano letivo, em 5 de fevereiro. Prometeu, ainda, retomar os estudos para implantar a gratificação por difícil locação; estruturar os sistemas de acompanhamento de frequência de alunos e professores; e convocar novos professores para a rede.

 

Dos projetos relacionados à infraestrutura que serão executados em 2018 estão a reforma de 103 escolas; a substituição das lâmpadas comuns das unidades por lâmpadas de LED, o que vai gerar uma economia de R$ 16 milhões já no primeiro ano; a retomada do programa de climatização dos edifícios escolares e o aumento da conectividade na rede, este último através de parceria com a Universidade Federal Fluminense (UFF).

 

 

Sobre avanços na área pedagógica, o secretário mencionou não apenas a mudança de estratégia para combater o analfabetismo, como também o salto no aprimoramento dos educadores por meio da Escola de Formação de Professores Paulo Freire. Os projetos incluem convênios com universidades dos Estados Unidos e da Inglaterra e a criação de plataforma de incentivo à pesquisa. "Quero que a rede seja produtora de conhecimento", destacou.

 

O secretário também anunciou a ampliação de alguns programas, como o das escolas bilíngues – serão 25 em 2018 - e a criação de outros específicos, caso dos de prevenção à gravidez na adolescência, às drogas e à violência, assim como o de combate aos abusos contra crianças. O protocolo de acesso seguro às unidades será ampliado e 340 escolas situadas em áreas de baixo IDH e com violência endêmica receberão, a partir de março, novas ações de extensividade, com música, esporte, xadrez e teatro, entre outras atividades.

 

A ampliação da prática de esportes faz parte do planejamento da SME através do projeto Vies, assim como a dos ginásios vocacionados e dirigidos para os alunos do 1º ao 5º ano. E na volta às aulas os diretores de escolas vão contar com um novo aplicativo que os manterão em contato direto com a secretaria, o que vai permitir, inclusive, a emissão de alertas em caso de violência. Uma nova e inédita campanha de erradicação do mosquito Aedes aegypti, em parceria com a Fiocruz, será apoiada por toda a rede.