Subsecretaria de Serviços Compartilhados
Dia Nacional de Combate ao Fumo - 29 de agosto

29/08/2017 04:30:00


No dia 29 de agosto, é comemorado no Brasil o Dia Nacional de Combate ao Fumo, uma data instituída em 1986 pela lei nº 7488, criada com o objetivo de conscientizar e mobilizar a população sobre os riscos decorrentes do uso do cigarro.

 

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o tabagismo é a principal causa de morte evitável no planeta, sendo considerado, portanto, um problema de saúde pública.

 

O cigarro, assim como outros derivados do tabaco, não possui uma quantidade segura de consumo. Somente na fumaça desse produto, por exemplo, encontramos mais de 4.700 substâncias tóxicas, algumas inclusive extremamente cancerígenas.

 

Problemas de saúde graves estão diretamente relacionadas ao hábito tabágico, dentre os quais destacam-se: infarto do miocárdio, enfisema pulmonar, acidente vascular encefálico (AVE), câncer de pulmão, traqueia, laringe e brônquio; impotência sexual no homem, infertilidade da mulher, hipertensão e diabetes, dentre muitos outros, além é claro da dependência física e psíquica.

 

No Brasil, em dias atuais, o tratamento do tabagismo tem como referência o Sistema Único de Saúde (SUS), sendo regulado por Portarias do Ministério da Saúde (Portaria nº 1.035/2004 e Portaria nº 442/2004) que ampliam o acesso da abordagem nos três níveis de atenção à saúde (básica, média e alta complexidade). 

 

Esse modelo de tratamento é baseado na abordagem cognitivo-comportamental, possibilitando que seja realizado em grupo ou individualmente e tem como objetivo auxiliar o fumante a desenvolver habilidades que o auxiliarão a permanecer sem fumar. O apoio medicamentoso, quando necessário, é outro recurso usado no tratamento do tabagismo e disponibilizado na rede SUS.

 

E para aqueles que ainda não se encorajaram a abandonar o tabagismo, veja estas curiosidades abaixo:

 

Benefícios para a saúde e bem-estar do tabagista:

 

·         Após 2 minutos, a pressão arterial e a pulsação voltam ao normal;

·         Após 3 semanas, a respiração se torna mais fácil e a circulação melhora;

·         Após 1 ano, o risco de morte por infarto do miocárdio se reduz a metade;

·         Após 5 a 10 anos, o risco de sofrer infarto será igual ao das pessoas que nunca fumaram;

·        Após 20 anos o risco de contrair câncer de pulmão será igual ao de pessoas que nunca fumaram.

 

E mais:

 

·         Fortalecimento da autoestima;

·         Melhora do hálito e do cheiro;

·         Melhora da coloração dos dentes e da vitalidade da pele;

·         Melhora no desempenho das atividades físicas.

 

 

 

Dr. Carlos Renato Pinto de Oliveira

Médico Perito- Cardiologista

 

Perícia Médica do Município do Rio de Janeiro

Coordenadoria Especial de Recursos Humanos

Subsecretaria de Serviços Compartilhados