Praça XV, um importante palco da história do Rio

17/02/2014 03:00:00


O Chafariz de Mestre Valentim é uma das atrações da Praça XV

 

 

Esse é um daqueles pontos cariocas que tem lugar assegurado na história. Isso porque a Praça XV de Novembro foi palco de acontecimentos muito significativos e que influenciaram o destino do Rio e do país ao longo dos séculos. Localizada no Centro, ela já teve outros nomes, como Largo do Terreiro da Polé, Praça do Carmo, Terreiro do Paço, Largo do Paço e Praça de Dom Pedro II. Porém, com a Proclamação da República, no dia 15 de novembro de 1889, o nome foi imediatamente trocado para o atual.

Entre as suas primeiras construções, a praça recebeu o Palácio dos Governadores e a Casa da Moeda, futuras instalações do Paço Real e depois Imperial. Como curiosidade, vale lembrar que esse foi o primeiro imóvel da cidade a ter vidros nas janelas. Ainda no governo do vice-rei D. Luiz de Vasconcelos, em 1789, foi construído o Chafariz do Mestre Valentim, que até hoje é um dos grandes símbolos da praça. Até o início do regime republicano, ali estavam também a Capela Imperial (atual igreja de Nossa Senhora do Carmo da antiga Sé), a Igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Carmo e o convento do Carmo (prédio da Antiga Academia de Comércio, atual Universidade Cândido Mendes).

 

O Largo do Paço, em 1830

 

 

Já em 1888, foi em frente ao Paço Imperial que aconteceram as maiores comemorações pela assinatura da Lei Áurea. Apesar disso, no ano seguinte, com a Proclamação da República, foi exatamente dali que a Família Imperial partiu para o exílio. Então, o antigo prédio foi transformado em repartição dos Correios e Telégrafos, sofrendo uma série de reformas que o descaracterizou. Hoje, ele se encontra inteiramente restaurado, sendo um centro cultural com livrarias, restaurantes e espaços para exposições (IPHAN). Além dele, fazem parte da Praça XV o Arco do Telles, com seus bares e lado boêmio, a Bolsa de Valores, importante centro financeiro da cidade, a Estação das Barcas, que faz o transporte de passageiros até Niterói, Paquetá e a Ilha do Governador, além do Espaço Cultural da Marinha, que oferece diversas exposições e passeios marítimos.

Pouca gente sabe, mas na Praça XV também existiu um grande Mercado Municipal. Inaugurado em 1841, o projeto do arquiteto francês Grandjean de Montigny tinha seu ponto final na Rua do Ouvidor. Com as obras de reconstrução da cidade, no início do século XX, ele foi demolido para o surgimento de outro prédio, todo metálico. Uma cópia dos prédios construídos na Inglaterra e na Bélgica, com projeto de Alfredo Azevedo Marques. Dele atualmente resta apenas uma de suas cinco torres metálicas, onde funciona um restaurante.

 

A Praça XV como é atualmente

 

 

Já mais recentemente, em 1998, a Praça XV foi completamente remodelada, incluindo a inauguração do “Mergulhão”, um subterrâneo com quatros pistas (duas no sentido Zona Sul e duas no sentido Zona Norte) por onde passam ônibus e carros. Assim, toda a extensão da Praça XV voltou a ser exclusiva dos pedestres. Por falar em mudanças, no fundo da praça, já pertencendo à Rua 1º de Março, existe ainda o importante projeto arquitetônico formado pelo antigo Convento e pela Igreja do Noviciato do Carmo, que foi a Catedral Metropolitana até a mudança para a Av. Chile.

Enfim, é muita história para um só lugar. Então, aproveite que agora você já conhece um pouquinho mais da história desse importante Ponto Carioca e caminhe pela Praça XV com um novo olhar. Com certeza, as estátuas e construções vão ganhar um novo, e mais rico, sentido.


Quer indicar um Ponto Carioca? Clique aqui.


Imagens relacionadas: