Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro

 

Cartões portais da cidade inspiram novos romances

12/06/2017 10:01:00  » Autor: Flávia David / Fotos: Divulgação


Que o Rio de Janeiro encanta o mundo inteiro com suas belezas, naturais e arquitetônicas, todo mundo sabe. Mas o que torna esta cidade ainda mais especial é o fato de que ela também exala romance, fazendo dos seus cartões postais o ponto de partida para lindas histórias de amor. Uma delas começou em uma noite de sexta-feira, no ano de 1998, quando a então estudante de História Simone Cordovil de Carvalho, hoje com 40 anos, decidiu se divertir em uma roda de samba sob os Arcos da Lapa. Nesse dia, conheceu André de Jesus Ferreira, de quem nunca mais se separou.

 

 

- Eu fazia faculdade na Veiga de Almeida e, às sextas-feiras, depois das aulas, frequentava os sambas da região. Nesse dia, resolvi ir à Lapa. Foi quando ele chegou para tocar pandeiro. Trocamos olhares, ele me tirou para dançar e lá se vão 15 anos - disse Simone.

 

 

Durante o namoro, que durou seis meses, aquele foi o ponto de encontro do casal. Os dois se casaram e tiveram duas filhas, Yasmim e Gabryelle, de 12 e 11 anos, respectivamente. Nesses 15 anos de relação, o Dia dos Namorados sempre rendeu ocasiões especiais.

 

 

- A gente sempre comemora. Se não dá pra ser no dia, fazemos alguma coisa antes ou depois. O negócio é não deixar passar em branco! - pontuou Simone.

 

 

Outro local muito visitado por cariocas e turistas é o Complexo do Maracanã, onde ficam o Estádio Jornalista Mário Filho e o Ginásio Gilberto Cardoso (Maracanãzinho). Foi neste último que o casal Marlucia Pacheco de Moraes e Cátia Maria Fernandes Sanches, de 48 e 42 anos, respectivamente, se conheceu. Em 2001, ambas assistiam a um jogo de vôlei entre Flamengo e Vasco da Gama. Durante a partida, uma briga na arquibancada aproximou as duas. Marlucia, então presidente da torcida Fla Vôlei, viu Cátia assustada, pois era sua primeira vez no ginásio, e puxou conversa para tranquilizá-la. Do incidente, há 16 anos, nasceu uma amizade. Depois, o namoro. As duas vivem juntas há seis anos, sem terem sofrido um episódio sequer de preconceito na cidade.

 

 

- O Rio de Janeiro é uma cidade romântica. Um dia, estávamos de mãos dadas e um taxista parou o carro para bater palma. O pôr do sol, visto do Leme ao Arpoador, é perfeito para juras de amor. Também adoramos esporte. Nossa história é pontuada pelo Flamengo - contou Marlucia.

 

 

Um dos locais mais famosos do mundo, a Praia de Copacabana também inspirou o cupido. Foi lá que Mariana Mariana Vasconcelos, de 35 anos, e Claudio Roberto Gregório, 46 anos, conheceram-se, em 1996. Ela tinha 14 anos quando o conheceu, na areia da praia. Se afastaram por alguns anos e se reencontraram em março de 2014, quando não se desgrudaram mais.

 

 

- O conheci quando ele, todo garotão, moreno Zona Sul, chamava atenção na praia. Eu e minhas amigas ficávamos sempre de olho. Um dia, a mãe da minha amiga puxou assunto e ele se aproximou. Viramos uma ‘família de praia', virando os anos na areia e fazendo festas e luaus, sempre curtindo juntos. Naquela época, ele se considerava meu irmão mais velho. Anos mais tarde, nos reencontramos no mesmo lugar e nos reaproximamos. Vamos completar quatro anos juntos. Sempre acreditei que tudo que tem que ser, será - comentou Mariana.

 

 

A Ilha Fiscal foi palco do evento que ficou conhecido como "O Último Baile do Império", realizado dias antes da Proclamação da República, em 1889. Elo entre o passado e o presente, o belíssimo local também foi parte de um capítulo muito importante na vida de Sandra de Oliveira e Luiz Vianna, de 56 e 55 anos, respectivamente. O casal, que vive em Niterói, se conheceu no trabalho, em 1999. O interesse surgiu, mas foi durante um passeio à Ilha Fiscal, semanas depois, que, de fato, o romance dos dois começou. Sandra e Luiz estão casados há 17 anos e são pais do adolescente Luiz Armando, de 16 anos.

 

 

- Nós conhecemos no trabalho e ele se interessou por mim na hora. Foi falar com minha chefe e ela me contou. Mandei um recado para que ele me procurasse pra dizer tudo aquilo pessoalmente. Durante uma atividade de trabalho, ele veio falar comigo. Marcamos de nos encontrar na Ilha Fiscal. Começamos a namorar lá mesmo, em outubro. Depois de um mês ele me pediu em casamento. Demos entrada na papelada e casamos em dezembro - contou Sandra.

 

 

Histórias como essas comprovam que o Rio de Janeiro, além de suas belezas, também transborda alegria, tolerância e amor. Que neste 12 de junho a Cidade Maravilhosa celebre seus namorados e inspire novos romances. Para incentivar declarações de amor pela cidade, a Prefeitura do Rio propôs o uso da hastag #NamoroComORio nas redes sociais e propagar o amor carioca.




Serviços Serviços