Secretaria de Transportes vai revisar serviço de ônibus na cidade: frota pode aumentar no horário de pico e ônibus com ar não podem ser retirados de circulação

A partir de agora, ônibus refrigerados não poderão mais ser retirados de circulação pelas empresas de transporte que operam a concessão do sistema na cidade do Rio de Janeiro. A frota dos coletivos também poderá ser ampliada para reforçar o atendimento nos horários de pico. Essas e outras medidas foram anunciadas pela Resolução 3231, publicada no Diário Oficial do Município nesta sexta-feira (14/02).

As medidas serão implementadas para melhorar a oferta de ônibus na cidade. Um grande levantamento será feito pelos técnicos da Secretaria Municipal de Transportes, que vão analisar possíveis alterações em linhas e serviços que atualmente não atendem as necessidades manifestadas pelos passageiros.

Também serão avaliados os pedidos de suspensão temporária de linhas e até a possibilidade de reduzir a frota em 40% nos horários de menor procura. Da mesma forma, será possível aumentar o número de ônibus nas ruas nos horários em que o movimento dos passageiros for maior – entre 7h e 9h e 17h e 20h. Assim, a frota será readequada à demanda real e atual de passageiros.

Outra mudança que será avaliada é a circulação de linhas com horários pré-estabelecidos, garantindo previsibilidade à população. A medida vai atingir as linhas que apresentam demanda apenas em um sentido do trajeto.

As alterações no serviço prestado poderão ser solicitadas pelos consórcios operadores. Todo pedido de redução, aumento ou remanejamento dos horários de atendimento feito pelas empresas terá de ser justificado e comprovado.

Para autorizar as mudanças, a equipe técnica da Secretaria Municipal de Transportes vai considerar os registros da população feitos na Central 1746 e as análises do ranking negativo. Justamente por isso, a secretaria apela para que as reclamações e elogios sejam registrados na Central 1746.

Vale ressaltar que o objetivo da revisão é promover melhorias nos serviços dos ônibus, mantendo o equilíbrio entre a oferta de veículos e a demanda de usuários. A Secretaria Municipal de Transportes afirma que nenhuma das ações vai prejudicar os serviços prestados à população nas ruas.