Moradores da Ilha ganham espaço de lazer no Jardim Guanabara

Publicado em 01/06/2019 - 18:50 | Atualizado em 03/06/2019 - 15:04
O novo espaço homenageia o jogador de futebol americano Caio Granado, morto em 2017. Foto: Marcelo Piu/Prefeitura do Rio

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, inaugurou neste sábado, 1º de junho, o bosque Caio Granado, localizado em um terreno de 16 mil metros quadrados entre as ruas Ituá e Aureliano Pimentel, no Jardim Guanabara, na Ilha do Governador. O parque, que combina reserva ecológica com áreas de passeio, ganhou calçamento no entorno, pistas para caminhada e estacionamento.

– Esse bosque é uma área de preservação ambiental. O que estamos eternizando aqui é um patrimônio. Melhoramos o clima, despoluímos o rio e mantivemos um santuário paras as pessoas passearem, trazerem seus bebês, suas famílias, fazerem piquenique numa área segura, porque aqui vai ter permanentemente, por ser um bosque da Prefeitura, a vigilância da Guarda, o apoio da Polícia Militar e também os cuidados da Comlurb, da Rioluz e dos demais setores da Prefeitura, porque aqui é uma área pública decretada – disse o prefeito, durante a inauguração, que era parte da programação da semana do Meio Ambiente, iniciada neste sábado.

O nome do bosque é uma homenagem ao jogador de futebol americano do Botafogo Reptiles, que morava na região e morreu em um acidente na Linha Vermelha, ao voltar de um jogo, em março de 2017, aos 24 anos. Antes isolada, escura e coberta por um matagal, a área recebeu iluminação, o que vai permitir o lazer noturno de famílias e a prática de exercícios físicos.

– Ia se chamar Bosque da Saudade, porque ele representa a dor de uma mãe que perdeu um filho no momento mais lindo da vida. Ele era um jovem exuberante, líder comunitário, que enchia a mãe e o pai de orgulho e que foi pro céu, mas o pai e a mãe resolveram que seria o bosque do amor ao próximo, o de pensar nos outros, o bosque de lembrar do filho como um cara que queria fazer pelos outros. Então, esse bosque não podia materializar melhor esse espírito que ele tinha. Uma mãe não esquece um filho nunca. Então, ficou assim, esse é o Bosque. Um lugar bonito, feito para o cidadão. Aqui não tem uma estátua cara, aqui não tem uma obra milionária, aqui é uma coisa de gente simples, gente que quer fazer as coisas com coração, coisas que não se medem pelo valor financeiro, mas pelo valor espiritual – afirmou Crivella.

– Fico muito feliz –  disse a mãe de Caio, Chrysthina Granado, emocionada. – Ele era agregador, fazia o bem para todo mundo. E isso aqui traz o bem para a humanidade. Moro aqui na frente há 30 anos. O lugar estava abandonado – disse.

Torcedor do Botafogo, o secretário municipal de Meio Ambiente, Marcelo Queiroz, conhecia Caio Granado. Ele destacou a importância do novo espaço:

– O bosque devolve algo que o Caio defendia: a melhoria de vida da população. É uma área verde na Ilha do Governador, com o valor simbólico de homenagear alguém que foi referência como filho, desportista e amigo – afirmou.