Registro Geral de Imóveis é entregue a 434 famílias de Santa Cruz, na Zona Oeste

Publicado em 18/10/2019 - 18:41 | Atualizado em 18/10/2019 - 18:49
Anatilde Juvenal de Sousa, de 83 anos, com a filha e a netaAnatilde Juvenal de Sousa, de 83 anos, com a filha e a neta. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio

A Prefeitura do Rio de Janeiro entregou nesta sexta-feira, 18 de outubro, o Registro Geral de Imóveis (RGI) a 434 famílias do Condomínio Residencial Estoril, em Santa Cruz, Zona Oeste. Desde o início da atual gestão municipal, 10.666 famílias (42,6 mil pessoas) receberam o documento de propriedade de suas casas e apartamentos. A previsão, até o fim do governo, é que essa conta chegue a 25 mil famílias (cerca de 100 mil pessoas) beneficiadas.

O RGI garante a propriedade dos imóveis e significa a realização do sonho da casa própria. O Residencial Estoril, inaugurado em 2012, fica na Estrada dos Palmares 3.735 e tem 437 unidades, distribuídas em 29 blocos.  Os beneficiados foram sorteados por meio do programa Minha Casa Minha Vida, parceria da Prefeitura com o Governo Federal, via Caixa Econômica, para construção de habitações populares.

– Até hoje, a senhora era moradora de um imóvel. Agora é diferente, a senhora é proprietária, e aquele que mora com a senhora é herdeiro. E o que uma moradora da Vieira Souto tem é o mesmo documento que a senhora tem em seu condomínio. É uma coisa muito importante – afirmou o Prefeito Marcelo Crivella, dirigindo-se a uma das moradoras do Estoril.

Para beneficiados como Anatilde  Juvenal de Sousa, de 83 anos, o RGI representa a tranquilidade de poder deixar um patrimônio para os sete filhos:

 – Aqui tem tudo, até academia. E agora é meu. Esse documento representa o futuro.

José Prudente Viana, de 85 anos, também se emocionou ao lembrar que, antes, vivia no Morro de São Carlos, onde tinha dificuldades para pagar aluguel.

– Esse documento? Representa tudo. Aqui é muito mais sossegado, não tem comparação. Estou muito feliz – disse José, marceneiro aposentado e pai de três filhos. Hoje, ele vive sozinho.

Nos últimos dois anos, já foram entregues cerca de nove mil moradias construídas pelo Minha Casa Minha Vida, ajudando a realizar o sonho de 35 mil pessoas que vivem na cidade do Rio.

Saiba mais sobre o Minha Casa Minha Vida

Há duas formas de participação no programa: por reassentamento, quando famílias são retiradas de locais de risco ou são vítimas de desabamentos, deslizamentos ou temporais; ou por sorteio, quando o candidato se inscreve para ser contemplado com imóvel. O valor da prestação varia de R$ 80 a R$ 270 mensais.

Os interessados devem ter mais de 18 anos e se inscrever na Rua da Constituição 34, Centro. Para a adesão é preciso apresentar a documentação original do titular do cadastro e do cônjuge, se houver.

Os documentos são: carteira de identidade, certidão do registro civil, CPF, comprovante de residência, contracheque ou comprovante de benefícios que prove renda e certidão de nascimento de filhos menores de 18 anos.

Podem participar do programa pessoas que não têm casa própria ou financiamento habitacional em qualquer localidade do Brasil e que nunca foram beneficiadas por programas de habitação social do governo.