Prefeitura age com rapidez para reduzir problemas causados por forte chuva

Publicado em 01/03/2020 - 20:02 | Atualizado em 01/03/2020 - 21:09
O prefeito Crivella se reúne com secretariado e coordena reação 'as chuvas. Foto: Marco Antônio Rezende / Prefeitura do RioO prefeito Crivella se reúne com secretariado e coordena reação 'as chuvas. Foto: Marco Antônio Rezende / Prefeitura do Rio

As fortes chuvas que atingiram o Rio de Janeiro a partir da noite de sábado (29/02) receberam a rápida atenção de toda a Prefeitura. No comando da operação emergencial, o prefeito Marcello Crivella reuniu seu secretariado, neste domingo (01/03), no Centro de Operações Rio (COR-Rio) para reduzir os efeitos da forte chuva.

Numa transmissão ao vivo em rede social, direto da sala de crise do COR, Crivella informou à população as medidas tomadas pelos órgãos municipais e garantiu que todos os esforços estão sendo feitos, com o máximo de agilidade. A Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil, subordinada à Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), acionou 30 sirenes em 16 (das 103) comunidades de alto risco geológico do município devido às fortes chuvas.  O Centro de Operações Rio registrou 139 ocorrências relativas a alagamentos, bolsões d´água e quedas de árvores. Até 17h30, 90 tinham sido solucionadas.

Previsão do tempo

Neste domingo (01/03), com a atuação de áreas de instabilidade em médios e altos níveis da atmosfera em conjunto com alta disponibilidade de umidade, a previsão é de chuva fraca a moderada, podendo ser forte de forma isolada até o final da noite. Os ventos estarão moderados com ocasionais rajadas fortes.

Na segunda-feira (02/03), o tempo segue instável, com chuva fraca a moderada ao longo do dia, podendo ser forte de curta duração (15min) durante a manhã/tarde. Os ventos estarão moderados.

Entre terça-feira (03/03) e quinta-feira (05/03), o tempo continua instável na cidade do Rio devido á formação de um sistema de baixa pressão no oceano. A previsão é de pancadas de chuva moderada/forte a partir da tarde de terça-feira e a qualquer momento da quarta-feira. A partir de quinta-feira, a chuva perde intensidade, sendo fraca a moderada a qualquer momento do dia. As temperaturas se manterão amenas.

CET-Rio

– Estrada Vereador Alceu de Carvalho (Estrada do Rio Morto): interditada em ambos os sentidos;

– Alto da Boa Vista: está totalmente liberada a Estrada de Furnas, na altura da Estrada Capitão Campos, onde mais cedo caiu uma árvore.

– Av. Brasil: totalmente liberada. A via chegou a ficar fechada nos dois sentidos, pela manhã, por causa de alagamento.

– Mergulhão Y e Mergulhão U permanecem ambos bloqueados devido alagamento. A situação é mais crítica no Y;

– Barrinha (Estr. da Barra da Tijuca, 1.020) liberada às 17h35 da reversível e alagamento;

– Av. Visconde de Albuquerque liberada às 14h45: queda de árvore sentido Pça Sibélius.

Rio-Águas

Rio Acari: Desde o início do ano, a Rio-Águas atua com trabalhos preventivos de limpeza e desassoreamento no Rio Acari, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Foram retirados, até o momento, cerca de 135 caminhões de material assoreado de dentro do rio, com auxílio de equipamentos. Os serviços prosseguem na altura do bairro Fazenda Botafogo. Os técnicos da Rio-Águas também vistoriaram os rios Marangá, em Bangu, e Catarino, em Realengo, e atuam na desobstrução dos canais para melhorar o escoamento das águas da chuva.

Rio Grande: As equipes verificam, neste domingo (1/3), as providências necessária para melhorar a travessia do Rio Grande, na altura da Taquara.

Canal Sernambetiba: A Rio-Águas também trabalha na desobstrução de trechos do Canal Sernambetiba.

Jardim Maravilha: Desde o ano passado, a Fundação Rio-Águas está realizando serviços de desassoreamento nos afluentes do Rio Cabuçu-Piraquê e em canais de comunidades próximas. Os trabalhos beneficiam 3,2 km de canais, entre a Avenida Campo Mourão e a Avenida D. João VI. A previsão de conclusão dos serviços é até maio deste ano. Esta semana, os trabalhos ganham reforço com uma draga flutuante que também atuará na desobstrução do Rio Cabuçu-Piraquê, intensificando os trabalhos de limpeza do principal curso d’água na região. Os alagamentos no Jardim Maravilha são um problema antigo e esta administração foi a única que enfrentou, de fato, o problema. Cabe ressaltar que o loteamento encontra-se em cota baixa, na mancha de inundação do Rio Cabuçu-Piraquê.

Defesa Civil

A Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil, subordinada à Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), acionou 30 sirenes em 16 (das 103) comunidades de alto risco geológico do município devido às fortes chuvas deste sábado (29/02) para domingo (01/03). As localidades são monitoradas 24 horas pelo sistema de alertas sonoros da cidade, que é acionado quando o índice pluviométrico atinge protocolos de desocupação preventiva.

Chamados: A Defesa Civil recebeu – das 20h30 de sábado até o momento -, 161 chamados, sendo os principais por desabamento de estrutura (75), ameaça de desabamento de estrutura (35) e deslizamento de barreiras (27). Os bairros de maior demanda são: Realengo (36 ocorrências), Taquara (20), Campo Grande (16) e Deodoro (13).

Técnicos do órgão atuam desde a madrugada no atendimento dos chamados que chegam via o canal 199. Até o momento, foram registradas 16 interdições emergenciais. As sirenes foram ativadas nas comunidades da Rocinha, Alemão, Joaquim de Queiroz, Morro da Fé, Rua Frey Gaspar, Nova Brasília, Palmeiras, Parque Alvorada, Cariri, Vila Cruzeiro, Rua Mirá, Adeus, Piancó, Sítio Pai João, Comandante Luiz Souto e Espírito Santo.

O sistema de monitoramento e alertas sonoras é baseado na avaliação dos índices críticos de chuva por meteorologistas do Sistema Alerta Rio, lotados no Centro de Operações Rio (COR), onde profissionais da DCRJ atuam, de forma integrada, 24 horas/dia. O sistema conta ainda com a participação de líderes e voluntários da comunidade, além de pontos de apoio previamente definidos, caso haja a necessidade de evacuar provisoriamente moradores. O Sistema de Alerta e Alarme Comunitário para Chuvas Fortes da Prefeitura do Rio conta com 83 pluviômetros da Defesa Civil, 165 sirenes e 194 pontos de apoio.

Comlurb

A Comlurb está com suas equipes operacionais nas ruas para mitigar os efeitos que a chuva muito forte causa à cidade desde a noite de sábado. Até as 17h deste domingo, a Companhia contabilizou 133 ocorrências, a grande maioria relacionada a bolsões d’água, e está fazendo a desobstrução de caixas de ralo. O efetivo total dessas ações é de 1.283 garis e 147 agentes de limpeza urbana. Foram utilizados ainda 85 caminhões e quatro pás carregadeiras. Até o momento houve o registro de 12 quedas de árvore na cidade, sendo que em nove o serviço está concluído, em um caso é necessário o apoio da Light para desligar a rede elétrica e garantir a segurança dos garis, e duas ocorrências estão com serviço em andamento.

A Companhia conta com um efetivo de 6.410 garis, divididos em três turnos, que trabalham com apoio de 182 veículos e 37 pás carregadeiras. Grande parte desse contingente será usada na operação emergencial para fazer frente às ocorrências relacionadas a fortes chuvas. Os demais seguem normalmente nos serviços de rotina, como varrição, coleta e limpeza de praias, praças e feiras livres.

A Comlurb também dispõe de uma grande equipe especializada em manejo arbóreo de prontidão para emergências relacionadas a fortes chuvas. São 391 garis, divididos em três turnos de trabalho, com 20 veículos com cesto aéreo, com duas motosserras e uma motopoda cada, 16 veículos para remoção de galhadas, com uma motosserra e duas motopodas cada, e seis vans para podas de conflito com sinalização, com uma motopoda cada. A Comlurb aproveita para destacar a importância da colaboração da população no descarte correto de seu lixo domiciliar. Solicitamos, se possível, que, em caso de grandes precipitações, a população aguarde o término das chuvas para ofertarem seus resíduos para o caminhão de coleta.

Saúde

Equipes do Hospital Ronaldo Gazolla seguem trabalhando, com apoio da RioÁguas, para a retirada da água que invadiu o subsolo da unidade. Um homem, que morreu afogado durante as chuvas, foi levado para o hospital por moradores de Acari.
Quatro pessoas foram atendidas na UPA de Magalhães Bastos, com ferimentos sem gravidade e liberadas após medicadas. No Hospital Lourenço Jorge, uma mulher, que deu entrada pela manhã com uma lesão no tendão, permanece internada. O quadro dela é estável.

Assistência Social

A Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH) informa que segue monitorado todos os pontos de apoio oficiais da Defesa Civil, com as equipes técnicas de coordenações à disposição para o caso de alguma necessidade. Neste momento duas famílias estão recebendo assistência no bairro de Guaratiba, na Zona Oeste. No caso do óbito, no bairro do Tanque, também na Zona Oeste a SMASDH prestou atendimento à família, fornecendo insumos, como cestas básicas e colchonetes, além de orientação quanto aos trâmites para a gratuidade de sepultamento por intermédio da Defensoria Pública.

Vigilância Sanitária

Os alagamentos provocados pelas chuvas fortes sempre causam problemas à população. Entre eles está o risco de contrair a leptospirose, doença causada pela bactéria Leptospira sp, presente na urina de ratos e camundongos. Como prevenção, a Subsecretaria de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses reforça cuidados a serem adotados em enchentes.

O que fazer em casos de enchentes:

1- Evite contato direto com a água e a lama de enchentes;
2- Se a sua casa for inundada pela enchente, espere a água baixar, remova a lama e desinfete o local, sempre se protegendo com luvas, botas de borracha ou outro tipo de proteção para braços e pernas, como sacos plásticos duplos;
3- Descarte os alimentos e medicamentos que tiveram contato com a água de enchente;
4- Não deixe crianças e cães brincarem ou nadarem em locais com água e lama de enchentes ou outros pontos que possam estar contaminados pela urina de roedores;
5- Se a caixa d’água foi atingida por lama, descarte a água e faça a desinfecção do reservatório;
6- Não pesque em rios e lagoas após as chuvas;
7- Pessoas que trabalham na limpeza da lama, retirada de entulhos e desentupimento de esgotos devem sempre usar botas e luvas de borracha ou outro material de proteção.

Como prevenir a doença:

1- Acondicione o lixo em sacos plásticos ou em recipientes bem fechados, armazenando-o em local alto até que seja coletado;
2- Guarde sempre os alimentos em recipientes bem fechados e em locais elevados do solo;
3- Mantenha a cozinha limpa, sem restos de alimentos;
4- Retire as sobras de alimentos ou ração de animais domésticos antes do anoitecer, mantendo sempre os vasilhames limpos;
5- Mantenha quintais, ruas, terrenos e as margens dos córregos limpos e capinados;
6- Evite acumular nos quintais e terrenos entulhos e objetos como telhas, madeiras e materiais de construção, para não servirem de abrigo aos roedores;
7- Feche buracos e vãos nas paredes e rodapés;
8- Mantenha as caixas d’água limpas e tampadas, e trate a água de poços antes da utilização;
9- Vacinar cães semestralmente contra a leptospirose.

 

Texto atualizado às 20h02