Órgãos municipais agem em conjunto para reduzir impacto da forte chuva que atinge a cidade

Publicado em 01/03/2020 - 14:47 | Atualizado em 01/03/2020 - 21:13

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, reuniu o seu secretariado no Centro de Operações Rio (COR-Rio), no início da tarde deste domingo (01/03), em uma operação para reduzir os efeitos da forte chuva que atinge a cidade desde a noite de sábado (29/02).

Numa transmissão ao vivo em rede social, direto da sala de crise do COR, Crivella informou à população as medidas tomadas pelos órgãos municipais e garantiu que todos os esforços estão sendo feitos, com o máximo de agilidade.

A chuva foi forte e em muita quantidade. Na estação de Bangu, por exemplo, em apenas uma hora, choveu 44% a mais do que a média histórica do mês de março.

Foram acionados 28 conjuntos de sirenes em 14 comunidades localizadas em áreas de alto risco geológico, conforme protocolo que se baseia em volume de chuva superior a 40mm no intervalo de uma hora.

A cidade entrou em estágio de atenção, por volta das 22h de sábado, e permanece em estágio de alerta, o quarto nível numa escala de cinco, desde 0h20 deste domingo (01/03).

A Prefeitura segue atenta a informações que chegam ao COR sobre eventuais vítimas.

Estamos em alerta máximo. Nossos órgãos estão preparados para resolver as situações e as nossas equipes estão nas ruas trabalhando. Vamos sair mais fortes de momentos como esses – afirmou Crivella, que pediu à população que colabore com a segurança de todos, em caso de novos temporais. – Evitem áreas de risco, não joguem lixo nas ruas, para não entupir os bueiros, atendam às equipes de orientação, quando soarem as sirenes, e se dirijam aos pontos de refúgio – completou.

Veja um resumo das ações da Prefeitura até 14h este domingo:

Encostas

A Geo-Rio registrou ocorrências em Jacarepaguá, Bangu e Realengo, onde os índices pluviométricos foram mais elevados. Os casos mais graves foram o de deslizamentos na comunidade Bateau Muche, em Realengo, com deslizamento que provou desabamento de uma casa. Houve também deslizamento peto do Hospital Estadual Santa Naria, na Taquara, e a Comlurb foi acionada para desobstruir o acesso. Houve ocorrências no Morro do Fubá, em Cascadura; Rua José Gomes, em Bangu; Rua do Governo, em Realengo; e rompimento do reservatório Santa Maria, em Jacarepaguá, que alagou ruas. A Avenida Niemeyer, fechada desde maio do ano passado, por decisão da Justiça, não registrou qualquer ocorrência, em razão de obras realizadas pela Prefeitura.

Bolsões d´água

Foram registradas 136 ocorrências relativas a alagamentos, bolsões d´água e quedas de árvores. Até 14h, 42 tinham sido solucionadas. Em vias com protocolo de interdição, todas as medidas foram tomadas preventivamente, e não houve problemas. O Alto da Boavista precisou ser fechado devido à queda de uma árvore.

A Subsecretaria de Conservação informa que está atuando para eliminar bolsões d’água e alagamentos nas vias com equipes e equipamento do tipo conjugado (caminhão vac-all – veículo com mangueira e bomba de sucção que suga a água e, assim, elimina os bolsões acumulados nas vias) nos seguintes locais:

– Av. Armando Lombardi altura acesso Barra Point – Barra da Tijuca

– Estrada da Barra da Tijuca, 1716 – Itanhangá

– Av. Armando Lombardi (Mergulinho) – Barra da Tijuca

– Rua General Olímpio Mourão Filho – São Conrado

– Av. Brasil altura Parada de Lucas – sentido Centro

– Rua Tindiba altura Praça Jauru – Taquara/Jacarepaguá

– Estrada da Pedra altura da Estrada BRT Pingo D`Água – Guaratiba – sentido Recreio

– Av. Nelson Cardoso altura Estrada BRT Aracy Cabral – Jacarepaguá

– Av. Ministro Ivan Lins, 78 – Barra da Tijuca

– Rua Filgueiras Lima altura Rua Marechal Rondon – Riachuelo

– Av. Brasil – altura Trevo das Margaridas – Irajá – sentido Zona Oeste

– R. Nerval de Gouvêia, 150 – Quintino Bocaiúva

– Rua Maria Lopes – altura Rua Padre Manso – Madureira

Previsão para a noite de domingo e segunda-feira

O Alerta Rio informa: às 15h18, nuvens baixas provocam chuva fraca a moderada em vários pontos da cidade, o que deve se manter pela próxima hora. No entanto, ainda há previsão de chuva forte até a noite deste domingo.

Maiores acumulados de chuva

Os maiores acumulados de chuva no período de uma hora foram registrados nas estações pluviométricas de Av. Brasil / Mendanha (61,4 mm), Bangu (50,6 mm) e Anchieta (46,4 mm). Na estação de Bangu, em apenas uma hora, choveu 44% a mais do que a média histórica do mês de março. Técnicos da Geo-Rio realizam vistoria, na manhã deste domingo, no Morro do Fubá – em Cascadura – e na Estrada do Rio Pequeno, na Taquara.

Vias interditadas

– Alto da Boa Vista: está totalmente liberada a Estrada de Furnas, na altura da Estrada Capitão Campos, onde mais cedo caiu uma árvore. A via ficou fechada nos dois sentidos, entre 6h e 14h.

– Av. Brasil: totalmente liberada desde as 14h, na altura de Irajá. A via chegou a ficar fechada nos dois sentidos, pela manhã, por causa de alagamento.

Vias interditadas preventivamente:

– Mergulhão U e Y, na Barra da Tijuca. As vias foram fechadas preventivamente para evitar carros presos em bolsões.

Chamados para a Defesa Civil

A Defesa Civil recebeu – das 20h30 de sábado até o início da tarde deste domingo – 104 chamados, sendo os principais por desabamento de estrutura (61), ameaça de desabamento de estrutura (27) e deslizamento de barreiras (8). Os bairros de maior demanda são: Realengo (24 ocorrências), Taquara (17), Deodoro (13) e Campo Grande (12).

Técnicos do órgão atuam desde a madrugada no atendimento dos chamados que chegam via o canal 199. Até o momento, foram realizadas quatro interdições emergenciais em Santíssimo (duas), Tanque e Campo Grande.

Sirenes acionadas

As sirenes foram ativadas nas comunidades da Rocinha, Alemão, Joaquim de Queiroz, Morro da Fé, Rua Frey Gaspar, Nova Brasília, Palmeiras, Parque Alvorada, Cariri, Vila Cruzeiro, Rua Mirá, Adeus e Piancó – a maioria localizada na região do Complexo do Alemão e Penha.

Assistência Social

A Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH) monitora todos os pontos de apoio oficiais da Defesa Civil. E atende famílias que necessitem de assistência no bairro de Guaratiba, na Zona Oeste. Em caso de óbito ocorrido em razão da chuva, a secretaria presta atendimento à família, fornecendo insumos como cestas básicas e colchonetes, além de orientação quanto aos trâmites para a gratuidade de sepultamento, por intermédio da Defensoria Pública.

Equipes da Comlurb nas ruas

A Comlurb está atenta e com suas equipes operacionais nas ruas para mitigar os efeitos  que a chuva muito forte causa à cidade desde a noite de domingo, seja  fazendo a desobstrução de caixas de ralo, em todos os pontos de bolsões d’água, ou realizando a remoção de arvores e grandes galhos que caíram nas ruas.

A Companhia conta com um efetivo de 6.410 garis, divididos em três turnos, que trabalham com apoio de 182 veículos e 37 pás carregadeiras. Grande parte desse contingente será usada na operação emergencial para fazer frente às ocorrências relacionadas a fortes chuvas. Os demais seguem normalmente nos serviços de rotina, como varrição, coleta e limpeza de praias, praças e feiras livres.

A Comlurb também dispõe de uma grande equipe especializada em manejo arbóreo de prontidão para emergências relacionadas a fortes chuvas. São 391 garis, divididos em três turnos de trabalho,  com 20 veículos com cesto aéreo, com duas motosserras e uma motopoda cada, 16 veículos para remoção de galhadas, com uma motosserra e duas motopodas cada, e seis vans para podas de conflito com sinalização, com uma motopoda cada.

 

Última atualização às 15:43